Povo Mura cria cartilha para conscientizar sobre defesa de terras em Autazes

Professores e líderes indígenas querem terras livres dos búfalos e dos projetos de mineração

Compartilhe:
Cápsulas de balas recolhidas pelos indígenas
Os búfalos modificam terras e lagos de várzeas
Professor Maiormar Mura: um novo instrumento de luta

 

 

 

 

 

 

 

 


J. Rosha*

O povo Mura está cercado. De um lado, empresa de Mineração, fazendeiros – criadores de búfalos e principais agentes do desmatamento que cresce de forma alarmante na região.

De outro lado, políticos afinadíssimos com a ideia de exploração a qualquer custo e igrejas neopentecostais afastando as lideranças da luta pela defesa do território.

Desde o fim da cabanagem – movimento popular que aconteceu entre 1835 e 1845 –, o povo Mura vem sendo confinado a pequenas porções de terra cercadas de fazendas por todos os lados como fruto da política do Estado Brasileiro.

A pressão é tanta que em alguns casos, como na terra indígena Patauá, em Autazes, onde os aldeados tiveram que deixar a terra por falta de acesso à mesma, hoje depois de retomá-la são forçados a ter que abandonar pelo mesmo motivo – impedimento do direito de ir e vir.

Além da pressão ostensiva, as aldeias estão desassistidas pelo Poder Público. Falta água potável em grande parte delas.

Os búfalos se encarregam de destruir os mananciais e poluir rios, lagos e igarapés de onde os indígenas sempre tiraram água e a alimentação.

“Os búfalos destroem nossas roças e as fezes deles nos impedem de tomar uma única gota de água”, lamenta o professor Everton Marques.

Assim tem sido a situação nas aldeias São Félix, Trincheira, Taquara e outras dos municípios de Autazes e Careiro da Várzea.

Na saúde e na educação a ausência dos serviços que deveriam ser prestados pelo Poder Público tem forçado os indígenas a adotar atitudes mais contundentes.

Em abril, posicionando-se contra a municipalização da saúde proposta pelo governo Bolsonaro, eles ocuparam a sede do Distrito Sanitário Especial Indígena – Dsei/Manaus.

Em outubro fecharam a estrada AM-254 (Manaus-Autazes) para exigir o fim da discriminação e a continuidade do transporte gratuito dos indígenas na balsa que faz a travessia para a sede municipal de Autazes.

O porto que serve a indígenas e não indígenas está dentro do território dos Mura. O momento foi tenso.

Os indígenas sofreram intimidação por parte da polícia civil, que chegou a efetuar quatro disparos na tentativa de dispersar os indígenas que ali se encontravam desarmados e num ato pacífico como tantos outros que ali tem feito nos últimos anos.

Rompendo o cerco

Cansados do descaso por parte das autoridades, os Mura decidiram romper o cerco da pressão e expor as ameaças a que estão submetidos nos últimos tempos.

Durante a ocupação do Dsei, em abril, propuseram a realização de uma campanha para denunciar a falta de ação governamental e a violação de direitos – as invasões aos territórios, ameaças de morte, poluição das águas e o temor de que a exploração de Silvinita pode levar a crimes ambientais como os causados por mineradoras em Mariana e Brumadinho no estado de Minas Gerais.

Uma das atividades da campanha foi a produção de uma cartilha, feita por professores, alunos e lideranças das aldeias Trincheira, Josefa e Sissaíma com um breve resgate da História do povo Mura e os objetivos da Campanha.

Em quase todos os escritos consultados, deparamo-nos com uma história marcada por registros tendenciosos e contraditórios. Somente os estudos mais recentes, realizados por pesquisadores e, aliados deste povo, nos oferecem uma visão mais crítica e esclarecedora sobre a população indígena conhecida como Mura.

Cartilha Conhecendo o povo Mura 

“Nosso povo sempre foi guerreiro, sempre defendeu seu território e sua cultura. Alguns parentes já se esqueceram disso. Mas nós precisamos lembrar para dar continuidade às gerações futuras”, diz Mariomar Moreira de Souza, professor da aldeia Trincheira. Ele coordenou a elaboração do subsídio.

Na Cartilha, professores e alunos buscam também explicar a necessidade de lutar pela demarcação das terras, defender os direitos e preservar a Amazônia.

“A demarcação das terras indígenas por si só é uma garantia da preservação da Amazônia. Já existe pesquisa mostrando isso”, explica Mariomar.

Envolver a comunidade na produção de alguns materiais usados na escola já é uma prática de muito tempo para os indígenas da aldeia Trincheira.

Há cerca de sete anos eles também elaboraram um livro com a geografia da região destacando o entorno da aldeia. Rio, lagos, igarapés, áreas de várzea e a localização das comunidades foram pontuadas na publicação.

“Para nós é uma forma de exercitar o conhecimento e de resistência cultural”, defende o professor Mariomar.

* O autor é jornalista 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.