Especialista diz que ensino híbrido combina com tecnologias da educação

A doutora em Educação e coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade Santa Teresa, Kelen Marcião, acredita que a combinação das atividades online com as aulas presenciais é uma tendência veio para equalizar uma falsa disputa entre tecnologia e educação.

Ela se refere ao fato da maioria das instituições de ensino adotar o ensino híbrido como estratégia de aprendizagem na flexibilização do isolamento social adotado evitar o contágio da Covid-19.

“Hibridismo quer dizer mais do que alternar aulas presenciais com atividades online ou à distância. É uma maneira inovadora de pensar a educação, em que essa separação entre homem e tecnologia vai sendo superada”, disse a coordenadora.

Para ela, mais do que uma proposta aplicável, o ensino híbrido é necessário, principalmente no Amazonas, que possui extrema diversidade biossociocultural.

“É essencial que haja um ensino que prepare os alunos para o bom uso da tecnologia, da comunicação, para a produção científica colaborativa e para o amplo debate sobre nossa biodiversidade, com outros povos”, afirmou.

Segundo a coordenadora, tornar os alunos capazes de protagonizar essas discussões, num futuro bem próximo, de maneira ampliada, só se viabilizará se, desde já, aprenderem a liderar e a utilizar todo o recurso tecnológico, humano e comunicacional a favor do bem comum.

O ensino híbrido será adotado pela Faculdade Santa Teresa, na volta às aulas presenciais, em agosto. Diferente do que muita gente pensa, Kelen explica que esse sistema não retira e tampouco diminui a figura do professor.

A especialista ressalta que, de longe ou de perto, educar sempre será sempre uma tarefa humana.

“Mesmo na atuação de forma remota, o professor precisa planejar sobre o que vai ensinar e refletir se aquela atividade atende aos interesses e às necessidades da sua turma”, pontua Kelen.

Por trás de toda atividade educativa à distância ou presencial, ela destaca, existe uma intenção que só pode ser projetada por humanos que se relacionam com outros humanos. “O maior ganho é este: a visibilidade e a importância do papel do professor e dos espaços formais de aprendizagem na vida social”, frisou.

Essa modalidade de ensino, na opinião da coordenadora, traz diversas vantagens, entre elas, a de manter vínculos sociais e afetivos, estabelecer redes de relacionamento, aprender sozinho e com o outro, aprender em tempos distintos, conhecer experiências e modos de vida muito distantes dos nossos. “Isto é de fato revolucionário”, enfatizou a educadora.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.