Pandemia tem impacto negativo na educação de mais de 70% dos jovens

Compartilhe:

A crise da Covid-19 está tendo um efeito arrasador na educação e formação dos jovens, segundo um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Desde o início da pandemia, mais de 70% dos jovens que estudam ou também trabalham foram afetados pelo encerramento de escolas, universidades e centros de formação.

De acordo com a pesquisa, 65% dos jovens afirma ter aprendido menos desde o início da pandemia devido à transição das escolas para as aulas na internet e por causa do confinamento.

Apesar dos esforços para continuar a estudar, metade destes jovens acredita que irão terminar os seus estudos mais tarde. Cerca de 9% deles talvez abandone os estudos definitivamente.

A situação é ainda pior para os jovens que vivem em países de baixa renda, onde há menos acesso à internet, falta equipamento e, às vezes, não existe espaço nas casas para estudar.

Diferença

A crise também destaca a existência de grandes diferenças entre as regiões. Enquanto 65% dos jovens em países de alta renda tiveram aulas na internet, apenas 18% dos jovens em países de baixa renda tiveram essa oportunidade.

Em comunicado, o diretor-geral da OIT, Guy Ryder, disse que a “a pandemia tem provocado múltiplos choques nos jovens.”

Segundo ele, a crise “não só está a destruir os seus empregos e as suas perspectivas de trabalho, mas também compromete a educação e formação e tem um grave impacto no seu bem-estar mental.”

Para o chefe da agência, a comunidade internacional não pode “deixar que isto aconteça.”

Futuro

De acordo com o relatório, 38% dos jovens sentem insegurança quanto às suas perspectivas de carreira, e consideram que a crise criará mais obstáculos, aumentando o período de transição da escola para o trabalho.

Alguns deles já sentiram um impacto direto. Um em cada seis jovens teve de deixar de trabalhar desde o início da pandemia.

Muitos dos trabalhadores jovens são mais propensos a trabalhar nos setores que foram mais afetados pela pandemia, como atividades de apoio, serviços e vendas, tornando-os mais vulneráveis.

Além disso, 42% dos jovens que continuaram a trabalhar viram seus rendimentos baixar.

Participação

Apesar das dificuldades, os jovens estão usando sua energia para se mobilizarem e lutarem contra a crise. Um quarto deles realizou algum tipo de trabalho voluntário durante a pandemia.

A OIT diz que garantir que a voz dos jovens é ouvida é fundamental para dar uma resposta mais inclusiva à crise. Permitir que os jovens participem na tomada de decisão melhora a eficácia das políticas e programas e permite que eles participem no seu desenvolvimento.

O relatório também pede políticas urgentes e em grande escala para evitar que a pandemia não coloque em risco as perspectivas de emprego de toda uma geração.

A OIT destaca medidas como reintegração no mercado de trabalho das pessoas que perderam os seus empregos ou tiveram sua carga horária reduzida, garantia de acesso aos subsídios de desemprego e a medidas para melhorar sua saúde mental, como apoio psicossocial e atividades desportivas.


Fonte: ONU News

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.