Professora de creche de Manaus está entre os 100 melhores educadores do País

Compartilhe:

A professora Maria Raquel dos Santos, que leciona na creche municipal Magdalena Arce Daou, no bairro Santa Luzia, zona Sul, está entre os 100 melhores educadores do Brasil no Prêmio Educação Infantil: Boas Práticas de Professores Durante a Pandemia, 2020.

Ela concorreu com o projeto Quinta Literária: Leitores de Fraldas no contexto das aulas remotas.

A premiação, no valor de R$ 1 mil, será utilizada na continuidade do programa neste ano.

“Ter ficado entre os 100 melhores projetos não foi uma surpresa, porque houve muita dedicação de toda a equipe escolar. O projeto não é só meu. Essa classificação é muito gratificante para o educador e para todos que participaram. Nesse período de pandemia, os educadores precisaram se reinventar, reformulando, estudando e aprendendo mais, para que a gente pudesse ensinar nossos alunos”, agradeceu Raquel, que também explicou como o projeto surgiu.

A professora explicou que o projeto já existia na creche de forma presencial. Mas, com a pandemia, foi preciso reconfigurá-lo para o contexto das aulas remotas. “Foram quatro meses e conseguimos alcançar 100% das crianças da creche”, disse.

Mais de 700 professores de todo o Brasil participaram do concurso e os vencedores foram divulgados no último dia 31/3, de forma virtual. A premiação é uma iniciativa da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e a Fundação Itaú Social.

A ação foi criada para dar visibilidade ao trabalho de professores e professoras que, diante dos desafios trazidos pela Covid-19 e pelo fechamento das unidades escolares, estiveram na linha de frente, comprometidos na articulação para possibilitar o contato e a comunicação próxima com os estudantes e seus familiares.

Projeto

O projeto é executado pelos professores, que contam histórias de clássicos infantis, como Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, Cinderela, entre outros. São histórias que as crianças já estavam habituadas a trabalhar na creche.

Para deixar as aulas não presenciais mais interessantes, as professoras se fantasiavam de personagens, criavam um cenário na creche, onde gravavam o material, que depois de editado era enviado aos pais, sempre às quintas-feiras. Além disso, os kits de livros eram entregues aos pais ou responsáveis.

Este ano, o projeto deve retornar assim que o prêmio de R$ 1 mil for entregue, e a previsão é que isso aconteça até o final deste mês de abril.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.