Mural de 34 metros é atração da Aldeia da Memória Indígena de Manaus

Compartilhe:

Um mural de 34 metros de comprimento, pintado pelo artista muralista  Fabio Ortiz, com quatro imagens da presença indígena em Manaus, será uma das atrações do memorial Aldeia da Memória Indígena de Manaus, que será inaugurado pelo prefeito David Almeida,  na segunda-feira (19/4), Dia do Índio.

“São quatro imagens nos 140 metros quadrados do mural retiradas de livros históricos, mostrando o mapa das calhas dos rios onde existe a forte presença dos povos indígenas no Amazonas desde muito antes da presença europeia, além do herói-ícone da luta, o grande Ajuricaba; ainda os Manaos e o cemitério indígena  na visão do colonizador quando aqui chegou”, explica o presidente da Fundação Municipal Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Alonso Oliveira.

Ele reforça a recomendação feita pelo prefeito David Almeida em reparar essa invisibilidade indígena e o  protagonismo da narrativa da história da cidade de Manaus, reconhecendo o espaço do cemitério como um lugar sagrado pelos povos que compõem a ancestralidade da sociedade manauara.

“Estamos começando a reparar o passivo histórico do poder público com nossos irmãos indígenas, e este belo painel mostra a importância dos povos ancestrais na formaçãob social e cultural de nossa sociedade”, declarou Oliveira.

O Artista

O artista muralista, Fábio Ortiz (27), autor de paineis de grafitte urbano, é estudante de Agronomia na Ufam, filho de pais ribeirinhos do munícipio de Manacapuru, com descendência de peruanos e nordestinos.

Ele estava pensando em desistir da arte do grafitte por conta das dificuldades da pandemia, quando procurou a Manauscult para saber sobre os projetos de incentivo.

“Hoje me sinto contemplado de poder contar essa história de tantos séculos de existência e luta”, fala orgulhoso Ortiz, ressaltando que tem aprendido muito sobre o protagonismo dos povos indígenas na história de Manaus e do Amazonas.

Cosmologia indígena

O professor doutor em Antropologia Cultural João Paulo Barreto Tukano, o porta-voz dos indígenas na reivindicação para a atual conquista do memorial, explicou a importância e o que representa a arte retratada no mural.

 

O painel com o mapa representa que nesse território existiu, existe e vai sempre existir povos que habitam nela. O desenho é uma expressão da cultura indígena, do território sagrado dos povos originários. Consequentemente apresenta também as imagens, os retratos da presença indígena nesses territórios, mostrando que aqui existiram povos originários com culturas, com pensamento e filosofia diferentes daqueles que vieram do Ocidente. Assim essa representação no desenho fala dos povos indígenas e do seu território; terra considerada como corpos indígenas, retratando o território.

[…] porque terra pra nós é um corpo humano, sobretudo um corpo de mulher porque só existem duas condições de gerar vida: como terra ou como mulher.

Portanto, essa noção é muito importante para os povos indígenas, na medida em que quando consideram como corpo de mulher é preciso de cuidado especial, de uma relação de pessoas de seres humanos.

O retrato do cemitério significa que aí estão os corpos indígenas de volta ao corpo e à casa da mãe terra, e como mãe nos acolhe, nos recebe no seu corpo. Ali estão presentes os corpos e os espíritos indígenas, portanto para nós é um solo sagrado esse sentido de casa e para nós é muito importante.

Essa noção nos leva a considerar que esse lugar é especial, onde podemos nos comunicar, interagir por vários meios, como através do sonho, com nossos entes queridos que já foram, mas estão aí presentes.

João Paulo Barreto Tukano, doutor em Antropologia Cultural

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.