Pandemia é dura também para profissionais de shows, diz Ivan Lins

Compartilhe:

A pandemia da Covid-19, que já matou mais de 3,1 milhões de pessoas no mundo, continua a ter efeitos econômicos severos sobre os profissionais das artes incluindo os trabalhadores da música.

Com as medidas de distanciamento social e confinamento para conter o vírus, produtores de música, técnicos de som, maquiadores e outros profissionais de shows ao vivo, se viram desempregados da noite para o dia.

Colegas   

Numa entrevista à ONU News sobre o Dia Internacional do Jazz, em 30 de abril, o cantor e  compositor brasileiro, Ivan Lins, conta que muitos artistas estão doando parte de seus direitos autorais para a compra de alimentos e outras formas de apoio aos colegas.

“E os técnicos que são os técnicos de som, o cara que faz a luz, o cara que carrega, monta o palco, estes então estão numa situação caótica. Nós estamos fazendo campanhas de doação, estamos fazendo uma série de campanhas de arrecadação para ajudar.

Por exemplo, aqui, na minha sociedade arrecadadora, nós estamos escolhendo uma música de grande sucesso nossa, eu escolhi Vitoriosa, e estou dando 40% dos direitos de Vitoriosa para que se consiga comprar cestas básicas e ajudar os técnicos de música. Assim como eu, vários compositores estão fazendo a mesma coisa, Roberto Menescal, por exemplo, pegou O Barquinho e está dando 50%, ninguém nem sabia…Pra poder ajudar. Principalmente por causa da pandemia porque parou o trabalho, o tal do contato com o público e o palco.”

Relatório encomendado pela Unesco revela que 87% dos eventos foram cancelados. Foto: ONU/Loey Felipe

ResiliArt 

Segundo a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, a indústria da música deve perder 43% da previsão de receita por causa da Covid-19.

Um relatório encomendado pela agência da ONU revela que 87% dos eventos foram cancelados e apenas 39% encontraram uma alternativa nas plataformas de internet para continuar com as apresentações.

Em 15 de abril de 2020, a Unesco lançou o movimento ResiliArt para mobilizar esforços globais coordenados em apoio aos artistas e assegurar o acesso à cultura para todos.

A agência da ONU acredita que a crise mudou o setor da cultura para sempre ameaçando vários ganhos alcançados nas últimas quatro décadas.


Fonte: ONU News

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.