Taxa de morte por Covid-19 entre pessoas de 40 anos quadruplicou no Brasil

Compartilhe:

Um alerta do braço da Organização Mundial da Saúde nas Américas revela a gravidade da Covid-19 entre adultos e especialmente jovens.

Em comunicado, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) afirmou que a taxa de internações e morte entre pessoas mais jovens está subindo em toda a região.

Brasil

Segundo a diretora-geral da agência, Carissa Etienne, a situação é grave no Brasil, onde os índices de mortalidade por Covid-19 entre pessoas com menos de 39 anos dobraram. O de pacientes na faixa de 40 anos chegou a quadruplicar.

Já o número de óbitos entre brasileiros de 50 a 60 anos, que contraem o novo coronavírus, triplicou.
Etienne ressalta que essas consequências são duras não só para as famílias que perdem seus entes queridos, mas para sociedades inteiras.

Movimento intenso em um mercado informal de peixes às margens do Rio Negro, em Manaus, em setembro de 2020. Existe uma lei municipal que exige que os cidadãos usem máscaras de proteção, mas muitos ignoram as regras. Foto: FMI/Raphael Alves

A situação também é crítica no Chile, onde os níveis de internações de pacientes abaixo de 39 anos subiram mais de 70% nos últimos meses.

Em algumas áreas dos Estados Unidos, são jovens na faixa de 20 anos que estão sendo hospitalizados por causa da pandemia.

Chances de sobreviver

No início da crise global de saúde, os hospitais ficaram lotados com pessoas idosas e com as chamadas comorbidades e doenças crônicas, mas agora a pandemia acometeu os mais jovens.

A chefe da Opas explica que como os jovens têm mais chance de sobreviver, eles tendem a ficar internados mais tempo, o que eleva a taxa de ocupação dos leitos dos hospitais.

Carissa Etienne afirma que se esses níveis de contaminação continuarem, em três meses os países da região terão de aumentar o número de leitos nas Unidades de Tratamento Intensivo, UTIs.

Uma outra consequência será a necessidade de aumentar e treinar mais profissionais de saúde.

Fila de supermercado em Bogotá, na Colômbia. Foto: Banco Mundial/Jairo Bedoya

Resposta

E como esta é uma situação insustentável, a Opas insiste na urgência de se manter as medidas de prevenção evitando a contaminação com o vírus.

Etienne afirma que os países devem continuar suas campanhas de informação e comunicação para combater a pandemia, uma vez que as vacinas não são o único caminho para reduzir as infecções, mas sim parte de uma resposta conjunta ao vírus.

Até o momento, 40% das mortes por Covid em todo o mundo, na semana passada, ocorreram nas Américas.
Os níveis de infecção estão subindo rapidamente nas Guianas, Argentina e Colômbia, na Guatemala e Costa Rica.

Vulcão

No Caribe, Cuba e Porto Rico são os que mais notificam novos casos.

E após a erupção do vulcão La Soufriere, São Vicente e Granadinas registraram um aumento de casos entre as pessoas que tiveram que abandonar suas casas devido ao desastre natural.

Somente na última semana, mais de 1,3 milhão de pessoas foram infectadas com o vírus nas Américas, e 36 mil morreram por causa de complicações geradas pela doença.


Fonte: ONU News

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.