Projeto de extensão da UEA oferece ensino personalizado

Compartilhe:

Tornar o aluno protagonista das decisões do tema a ser estudado é o foco da Escola Humanizada de Aplicação da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), um projeto de extensão cujo propósito é desenvolver atividades de extensão por meio de uma pedagogia humanizada.

Além disso, estabelece diálogo entre a Universidade e as escolas públicas colaboradoras: Escola Maria das Graças Andrade Vasconcellos e Centro Municipal de Educação Infantil Hermann Gmeiner.

A união desses setores de ensino contribui para uma formação docente aprimorada, em diálogo real com a sociedade escolar para melhorar o campo de aprendizagem.

A proposta metodológica da Escola Humanizada de Aplicação é baseada nas escolas democráticas, onde a estrutura de ensino é pensada para comtemplar o sujeito integralmente e considerar os aspectos emocionais, sensoriais e mentais do ensino.

Ensino adaptado

Com base em uma metodologia de ensino que acentue propostas inovadoras, os planos de ensino são criados de maneira contínua e paralela.

Assim, caso uma criança tenha interesse em estudar astronomia, por exemplo, a Escola Humanizada cria um projeto em torno de 15 dias até dois meses de duração para o aluno, enquanto outras crianças estarão em outros projetos de temas de interesse pessoal.

A iniciativa também oferece projetos de extensão que os professores da UEA já desenvolvem.

De acordo com a coordenadora do projeto e professora da UEA, Carolina Cecília Carvalho Nogueira, o espaço é um lugar onde professores podem colocar em prática as mais novas pedagogias educacionais.

“Aos discentes da UEA, a Escola torna-se um lugar de plena pesquisa e formação em diversas áreas. Para os alunos do projeto, é um lugar de constante aprendizado com melhores possibilidades de compreensão teórico-prática”, explica.

Atividades ofertadas

Atualmente, a Escola Humanizada de Aplicação desenvolve atividades na área de Teatro (teatro radiofônico, lambe-lambe, jogos teatrais), Ciência e Tecnologia (experimentos de física, robótica, jogos matemáticos, jogos eletrônicos) e Geografia (Era dos dinossauros e a cultura dos povos da Oceania).

Futuramente serão inaugurados seis laboratórios da escola que serão utilizados como apoio às atividades desenvolvidas.

Os laboratórios serão o Sala Maker, que contém materiais do movimento Maker, como ferramentas:

  • Impressoras 3d, materiais de robótica etc;
  • Sala Montessori, com material montessori para desenvolver atividades montessorianas de aprendizagem;
  • Laboratório de ensino sensorial, um espaço para desenvolver atividades sensoriais que trabalha com atividades terapêuticas, como argila, pintura e cheiros;
  • Laboratório das Artes, possui materiais propícios para atividades de teatro, música e dança, e desenvolve atividades de interação social, como brincadeiras direcionadas;
  • Laboratório digital, que abrange materiais de edição de vídeos;
  • Computadores para desenvolver jogos eletrônicos, animações digitais; e
  • Laboratório de Ciências, com elementos de ciências em geral.

Os laboratórios receberam o apoio do Deputado Federal José Ricardo (PT).

Como surgiu?

O projeto nasceu do desejo dos idealizadores de criar uma escola inovadora para que os alunos pudessem vivenciar experiências além do ensino tradicional, e por acreditarem que o ensino oriundo de linhas pedagógicas mais extensionistas englobam o indivíduo como um todo.

“Por isso, a pedagogia do projeto protagoniza o desejo da criança, criando exercícios lúdicos e cheios de conteúdo, para ela vivenciar uma imersão no conteúdo de interesse. Todos os projetos, além de abordar o tema de interesse da criança, trazem o conteúdo de forma que despertem cada vez mais o interesse do aluno”, conta a professora Carolina.

Corpo docente

Coordenado pela professora Carolina, da Escola Superior de Artes e Turismo (ESAT/UEA), a iniciativa é realizada por intermédio da contribuição das professoras do curso de Teatro, Amanda Aguiar Ayres, Gislaine Regina Pozzetti e Vanessa Benites Bordin; curso de Dança, Meireane Rodrigues Ribeiro; curso de Música, Fabiano Cardoso, Fabio Carmo Plácido; curso de Turismo, Claúdia Menezes; curso de Geografia, Isaque Souza, Marcela Mafra; e dos cursos de Engenharias Civil e Elétrica, Fabian Litaiff.

Mais informações AQUI


Fonte: UEA/Ascom

Texto: Guilherme Oliveira

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.