Aluna da UEA é classificada entre as dez melhores na Maratona Territórios do Brasil

Compartilhe:

O projeto de coautoria da estudante Karoline Cavalcante, do curso de Turismo da Escola Superior de Artes e Turismo da Universidade do Estado do Amazonas (ESAT/UEA), foi selecionado entre os dez melhores da Maratona Territórios do Brasil.

O evento, realizado entre os dias 21 e 23 de maio pela Universidade Federal do Sergipe (UFS), busca estimular e promover ações com o objetivo de potencializar o desenvolvimento territorial das regiões Norte e Nordeste do País.

De forma remota, a proposta desenvolvida pela estudante contou com a colaboração de universitárias de outras regiões.

A Maratona reuniu estudantes, universitários, professores e profissionais do mercado para o desenvolvimento de soluções que visam levar inovação e inclusão para comunidades produtivas em todo o Brasil.

O evento foi dividido nas áreas de turismo comunitário, conexão agro e bioeconomia. Em cada desafio, as equipes são formadas com o objetivo de criar um projeto transformador.

Lilian Cavalcante colaborou no desafio de turismo comunitário, que também teve a participação de Samira Rodrigues (BA), Maria Eduarda Pereira Oliveira (BA) e Mayane Barros (MS).

O projeto contou ainda com a mentoria de especialistas e professores do Brasil inteiro, incluindo a professora Cristiane Barroncas, do curso de Turismo da ESAT.

Projeto

Intitulado ‘Quati’, o projeto consiste em um plataforma on-line e colaborativa voltada para os comunitários da Vila de Guiné, na Chapada da Diamantina (BA).

Por se tratar de uma região rica em belezas naturais e com um forte apelo turístico, a plataforma seria implementada para que os residentes pudessem divulgar trabalhos e histórias, além de também desenvolver os próprios roteiros turísticos.

“A proposta inicial seria uma plataforma digital e colaborativa que pudesse ser utilizada pelos residentes da Vila de Guiné, para que esses pudessem contar suas histórias, mostrar as belezas da Vila, pela perspectiva deles, além da tour online, também inserida no site. A ideia, também, seria envolver outras redes de apoio, para que elas pudessem oferecer cursos e oficinas sobre produção de sites, fotografias, de vídeo gratuitas e específicas para os moradores”, disse Lilian.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.