Poeta parintinense comemora publicações conquistadas em concursos

Compartilhe:

“Tempo de plantar, tempo de colher o fruto da palavra escrita.”

Com esse pensamento, o poeta e professor Venicio Garcia, o Curumim Amazônico, define os resultados de sua participação em vários concursos de poesias ocorridos no Amazonas e em outros estados brasileiros.

Segundo Garcia, tudo começou no Concurso de Poesia promovido pela Secretaria de Cultura do município de Parintins no ano de 2019, no qual dois dos seus poemas ficaram entre os finalistas.

Os poemas têm os seguintes títulos: A árvore que carregava o céu e Eldorado de Cinzas.

Continuando   sua caminhada em busca de novas conquistas, fez voos além das fronteiras da Amazônia.

Assim, o poeta participou de outros concursos em nível nacional que lograram êxito.  Seus escritos passaram a compor as antologias de  novos poetas  brasileiros.

Nesse trajeto, o primeiro concurso que aprovou seus poemas foi o promovido pela Academia Rio-Pombense de Letras, no estado Minas Gerais.

Os premiados – Das asas do Condor às Luzes de Paris – , em homenagem ao escritor Miltom Hatuom, e És o Poeta.  estão na Antologia  do XXXI Festival  Nacional de Poesias Eunice Maria de Oliveira, edição de 2020.

 No ano de 2021, ele participou de outros concursos pelo Brasil, dentre os quais, o promovido pela Revista Traço Cultural, primeira edição.

Neste certame, seu poema Despêsame foi classificado para compor a edição histórica da revista.

Ainda no ao de 2021, mais uma vez o poeta parintinense obteve êxito com o Guardador de Sementes, poema presente na Antologia Poesia Livre de 2 (Seleção Poesia Brasileira), obra que selecionou poetas emergentes da literatura brasileira.

Para Venicio, trilhar esse caminho é uma luta árdua, diária e difícil, pois a concorrência, que é salutar e necessária, é grande.

“Ter e ver seus poemas criado asas, é uma maneira de fazer da poesia instrumento de liberdade e  imaginação neste mundo que tanto cultua a ignorância, em detrimento do conhecimento e da cultura  tão importantes na formação de um povo livre e soberano”, afirmou o poeta.

Despêsame

Neologismo que alivia a dor

Flores na fria terra

Que definham o amor na sala de sentimentos solidário…

Despêsame pelas condolências ao amanhecer

Das lágrimas que regam palavras em metáforas

Sabendo que muitas vezes elas não aliviam

A dor da perda da nossa maior riqueza

De pessoa amada…

Despêsame no pesar da consciência

Quando teu corpo solitário desce o frio chão

Sob o olhar das máquinas que cavaram tua eterna alcova…

Despêsame quando a tristeza veste o coração com sentimento

Quando o ar te falta no altar da despedida

Despêsame. Meus pêsames…

Venicio Garcia, publicado na Revista Cultural Traços

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.