Debate sobre a falta de farinha em Parintins, em 1974

Compartilhe:

A farinha de mandioca, produto essencial na mesa dos parintinenses, passou por um período de baixa produção e, consequentemente, a disponibilização do produto em comercio e vendas do município.

O fato está relacionado à saída das pessoas da zona rural para as cidades.

Como forma de combater a escassez do produto, no dia 18 de abrir de 1974, [o vereador] Guilherme Ribeiro (Arena) apresentou um requerimento verbal pedindo que seja encaminhado ao prefeito providências no sentido de “proibir a venda de farinha para fora do município, devido a escassez do produto em nosso município” (p.44 verso).

Na sessão de 23 de abril de 1974, a questão com a falta de farinha na cidade, apresentada por Guilherme Ribeiro, suscitou o caloroso debate no plenário [da câmara de vereadores] e salientou as divergências entre MDB e Arena.

Com a palavra, o vereador Waldir Melo falou sobre as indicações apresentadas pela bancada do MBB: “[…] as quais na maioria das vezes tem recebido parecer desfavorável por esta comissão. E que as comunidades que ficam localizadas na parte de cima, não vêm recebendo a devida atenção, o que acontece que o produtor vem procurar meios de vida melhor em nossa cidade, deixado assim de produzir, passando somente a consumir o produto, como no caso da farinha, que está faltando” (p. 49-50 verso).

Em resposta, Messias Augusto das Neves (Arena) não ser possível o prefeito se desdobrar, mas que o mesmo tem planos para visitar todas as comunidades, para tomar conhecimento das realidades existentes.

Falou que não é só em Parintins o êxodo dos trabalhadores rurais, como exemplo o que ocorre no, e que isto ocorre devido ao progresso das cidades, o homem vem em busca de desenvolvimento.

O parecer foi colocado em única discussão e depois em votação, o qual foi aprovado em única discussão por maioria, com a restrição do vereador Waldir Batista de Melo (p. 49-50).

O vereador Guilherme Barbosa Ribeiro, em 7 de maio de 1974, voltou a referir-se à saída de farinha de mandioca para outros municípios, dando sugestões legais e necessárias à prática das medidas a tomar:

“Que o Sr. prefeito envie fiscalização à boca do [rio] Uaicurapá, para [de lá] não sair o referido produto, por outro lado, fiscalizar os motores para saber se há ou não farinha [ a bordo], caso haja, que está seja vendida em Parintins”.

As solicitações apontam solução imediatamente para um problema de ordem estrutural, econômica e social.

A falta de uma política de incentivo para a permanência dos produtores rurais em suas comunidades.

Acrescenta-se as dificuldades de acesso à educação, emprego e saúde, fatores esses que forçam a saída de famílias inteiras para as zonas urbanizadas.

 

Em História e Memória Política do Município de Parintins, volume II, 1964 a 1976, p. 310, 311, 312.

Orgs.: Juscelino Melo Manso, Irian Butel, Larice Butel, Jucielle Cursino (Parintins, 212).

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.