Edua lança o livro O Norte na Psicanálise: saberes e práticas amazônidas

Compartilhe:

Com 310 páginas, o livro “O Norte na Psicanálise: saberes e práticas amazônidas” está dividido em 5 partes que reúne pesquisas da subjetividade humana específicas de nossa região.

Organizada por Marck de Souza Torres, Sérgio Sócrates Baçal de Oliveira, Fabiane da Fontoura Messias de Melo, Enio Tavares e Adonai Chacon, a obra está disponível no site da Editora da Universidade Federal do Amazonas (Edua) para download gratuito. Acesse: https://edua.ufam.edu.br/

Para o diretor da Edua, professor Sérgio Freire, a publicação do e-book “O Norte na Psicanálise: saberes e práticas amazônidas” é a continuidade da divulgação dos trabalhos de pesquisas produzidos na Universidade, no caso, a obra elaborada por pesquisadores da Faculdade de Psicologia (FAPSI).

“A Edua cumpre a sua tarefa de divulgar o conhecimento produzido na Universidade, disse o professor que considera que o livro vem discutir especificamente a psicanálise em nossa região, abordando questões da subjetiva humana.

Um dos organizadores da obra e coordenador do Laboratório de Psicopatologia: sujeito e singularidade (Lapsus), professor Sérgio Sócrates Baçal de Oliveira disse que desde quando surgiu a Psicanálise sempre houve problemas na relação entre a disciplina e a Universidade, e isso continua até os nossos dias que, segundo o organizador, é uma questão do paradigma no uso da razão do consciente, por não se dá conta de responder a múltiplos fenômenos humanos.

Segundo o docente, a subjetividade enquanto teoria cabe em qualquer lugar e destaca o aspecto cultural, político e econômico como fatores que afetam o ser humano nas mais variadas particularidades.

Ele cita o professor Manuel Dias Galvão da Ufam, como precursor de trabalhos de extensão relacionados à temática, sendo desenvolvidos dois projetos: Criança como desafios: prática e clínica voltadas para psicanálise e, Psicanálise na Cultura.

Ele conta que a obra surgiu a partir de inúmeros trabalhos apreciados pela coordenadora do curso, professora Marck de Souza Torres, desenvolvidos por alunos do professor Galvão e de outros pesquisadores espalhados de nossa região quando foi feito, posteriormente, o convite para divulgação.

A Obra 

Composta de cinco partes, a primeira intitulada “Formação e história da psicanálise na região Norte”, discute os percursos de instauração das práticas psicanalíticas de clínica e de transmissão na região amazônica, bem como os esforços de lhes fornecer sustentação teórica apropriada.

A parte II, “Psicanálise e cultura amazônica”, inicia com o artigo Psicanálise da Criança e os Indígenas em Roraima, de Pamela Alves Gil.

O texto reflete sobre a experiência da autora como supervisora em atendimento infantil no Serviço de Atendimento Psicológico (SAP), vinculado ao curso de Psicologia da Universidade Federal de Roraima (UFR), em Boa Vista.

Na parte III, “Psicanálise e políticas públicas”, Sérgio Sócrates Baçal de Oliveira dá continuidade a suas importantes reflexões sobre a “medicalização” e seus efeitos concretos na clínica e nas políticas de saúde, através do artigo A medicalização da vida como uma das vozes do Supereu.

A parte IV – Psicanálise e métodos projetivos – é composta por dois artigos: Aposentadoria de Policiais Militares: A Repercussão Psíquica de uma Passagem, de Flávia Lucena Dias de Mendonça e Denise Machado Duran Gutierrez; e A Violência Sexual Intrafamiliar e os Impactos no Psiquismo Adolescente, de Marck de Souza Torres.

Por fim, na parte V, Psicanálise e processos grupais, três capítulos examinam os fenômenos próprios aos grupos em suas perspectivas teóricas e clínicas: Um Trabalho de (Re)Conhecimento da Obra de Bion para Além dos Estudos de Grupo, de Enio de Souza Tavares; Da Psicanálise À Psicanálise dos Processos Grupais: O Ataque ao Outro, de Eliane Silvia Costa e O casal amoroso: entre semelhanças e diferenças, de Maria do Socorro Lacerda Gomes.


Fonte: Ufam/Ascom

Texto: Sebastião de Oliveira

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.