Ataques a indígenas no Brasil preocupam Direitos Humanos da ONU

Compartilhe:

A alta comissária para os Direitos Humanos expressou alarme com os recentes ataques contra membros dos povos Yanomami e Munduruku do Brasil por mineiros ilegais na Amazônia.

Discursando nessa sexta-feira (8/10), em Genebra, Michelle Bachelet citou tentativas de legalizar a entrada de empresas em territórios indígenas e limitar a demarcação dessas terras no fim de mais uma sessão do Conselho de Direitos Humanos.

Garimpeiros 

As tensões envolvendo os garimpeiros ilegais na região amazônica foram divulgadas em julho por agências de notícias.

Bachelet destacou a apreciação de projeto de lei sobre o tema na Câmara dos Deputados no Brasil.

O apelo dirigido às autoridades brasileiras é que revertam políticas que afetam negativamente os povos indígenas e não se retirem da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho sobre Povos Indígenas e Tribais.

Outra razão da preocupação do escritório de Direitos Humanos é o novo projeto de legislação antiterrorismo no Brasil.

De acordo com Bachelet, a proposta “inclui disposições excessivamente vagas e amplas que apresentam riscos de abuso, especialmente contra ativistas sociais e defensores dos direitos humanos”.

Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos. Foto: ONU News/Daniel Johnson

Situação haitiana  

O Haiti foi outra nação das Américas mencionada no discurso da chefe de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Bachelet pediu foco dos envolvidos para garantir a resiliência do país caribenho, com o progresso sustentável nos direitos econômicos e sociais e atenção especial às mulheres e meninas.

A alta comissária destacou o assassinato do presidente Juvenal Moise, em julho passado.

Para ela, o incidente é um exemplo da crescente insegurança do país. Sua maior preocupação em relação ao Haiti é com ataques contínuos contra funcionários judiciais e defensores dos direitos humanos.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.