Jandr Reis inaugura exposição Jaraquiart, no Palacete Provincial

Compartilhe:

Ao completar 30 anos de atividades com artes plásticas, Jandr Reis inaugura a exposição Jaraquiart na galeria Manuel Santiago, no Palacete Provincial (Praça Heliodoro Balbi, Centro), no próximo dia 19 de outubro.

A nova mostra do artista fica aberta ao público até dezembro, com acesso gratuito mediante agendamento pelo Portal da Cultura (cultura.am.gov.br) e apresentação da carteira de vacinação contra Covid-19.

Jaraquiart é uma coleção de obras criada sob influência da paixão do artista pela arte do americano Jean-Michel Basquiat associada em uma homenagem ao seu pai, que era pescador, porém esta produção também é um reflexo de suas séries anteriores, unindo seu orquidário ao urbano além de elementos do cotidiano ribeirinho.

“A série faz referência a paixão do amazonense pelo jaraqui, peixe muito popular na mesa de quem aqui vive. Mas, também faço uma homenagem ao meu pai, que era pescador”, conta o artista.

Segundo Jandr, ele fez a união de elementos da região como peixes amazônicos, canoas, cuias, armadilhas de pesca indígenas e a simbólica cúpula do Teatro Amazonas, que demonstram um sentimento fiel pela Amazônia.

De acordo com ele, as obras têm tamanhos grandes e suas características são aliadas a uma consequência, quase inevitável e inegável, no processo de formação e manutenção da própria Amazônia.

 Exposição

Para a Jaraquiart, como de costume, Jandr Reis vai inovar. Pela primeira vez, ele expõe suas obras sem o chassi, ou seja, sem a moldura interna. As telas, vão ser aplicadas diretamente nas paredes e variam de tamanhos, chegando até cinco metros.

“Essa exposição foi pensada durante a pandemia, e pensei, na economia que poderíamos fazer e tornar as obras mais acessíveis e mais atraentes”, fala o artista.

Outro ponto alto da vernissage, será a finalização da obra Piracema de Jaraca, que acontecerá na própria galeria, onde o público e os convidados poderão observar a finalização da obra.

“Não é muito comum eu pintar sob olhares das pessoas e, também, não me deixo ser gravado ou fotografado durante a execução das obras. Mas, vou apresentar uma performance para o público que for prestigiar a abertura do evento”, pontua o artista.

A exposição Jaraquiart é uma realização da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, e tem texto curatorial de Óscar Ramos, um dos últimos escritos pelo artista plástico, falecido em 2019.

 O artista

Jandr Reis é natural da cidade de Óbidos, no Pará e está radicado em Manaus desde 1980. Formado em Comunicação Digital Design e Multimídia pela Universidade Paulista (Unip) e Pós-graduado em Museologia na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), iniciou muito cedo pelo caminho das artes plásticas, quando ainda desenhava na infância as paisagens do interior da Amazônia.

Com o tempo, buscou aprimoramento nas pinturas e iniciou seus primeiros experimentos com objetos para realizar as suas instalações, onde utilizou modelo vivo, cinema e mídias contemporâneas.

Essas experiências se deram através de cursos realizados no Rio de Janeiro, como no Museu de Arte Moderna, Escola de Artes Visuais – Parque Lage, Fundação Nacional de Artes (Funarte) e atualização em Introdução à Museologia e Museografia, concepção, montagem e ação educativa em exposições, sua grande maioria na cidade do Rio de Janeiro.

Atualmente, é um dos responsáveis pelas curadorias e exposições de Galerias e Centros Culturais administrados pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas. Participou de exposições coletivas e individuais nacionais e internacionais. Artista mapeado Região Norte 99/2000 e 2001/2002, do Projeto Rumos Visuais Itaú Cultural.

Em 2021, criou a videoinstalação Mãos que Matam. Durante as cheias, Jandr criou um grito de alerta sobre a poluição dos rios com luvas de uso doméstico e materiais retirados do próprio rio, como isopor.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.