Professor torna escola de Manacapuru referência em competição científica

Compartilhe:

O professor da rede estadual de Educação Galileu Pires já está colhendo os resultados da sua iniciativa de aplicar projetos de ciência e tecnologia em sala de aula.

Ele leciona na Escola Estadual Nossa Senhora de Nazaré, localizada em Manacapuru, na região metropolitana de Manaus. Galileu é graduado em Engenharia Mecânica e mestre em Biologia.

Um dos projetos que desenvolveu com os seus alunos alcançou o 7.º lugar no Prêmio Respostas para o Amanhã, iniciativa global da Samsung que estimula os estudantes do Ensino Médio a desenvolver soluções para problemas locais, a partir da ciência e da tecnologia.

Idealizado por Galileu, na crise aguda da pandemia do novo coronavírus, em 2020, o projeto Máscara Canguru aperfeiçoou máscaras de pano, deixando-as mais seguras e prontas para serem usadas por médicos, enfermeiros e equipe hospitalar de Manacapuru, no enfrentamento à Covid-19.

Também em 2020, sob a orientação do professor, os estudantes desenvolveram o projeto AC-19, iniciativa que consiste na elaboração de três dispositivos de robótica: uma pulseira com sensor, que informa sobre possíveis infecções por meio da temperatura corporal; um dispenser automático de álcool em gel com sensor de aproximação; e um aferidor de temperatura com termistor de distância acoplado.

“Esses projetos mudaram a vida deles [dos alunos], e hoje a escola é referência do Amazonas no circuito de competições científicas. Estamos entre os 20 melhores projetos do Brasil, feito já realizado em 2019, com o projeto Fibra Algodonosa de Escama de Peixe”, disse Galileu.

Ele informou ainda que cinco alunos estão sendo treinados na metodologia STEM, que envolve Ciência da Natureza (Biologia, Física e Química), Matemática e Conhecimento em Programação e Robótica.Manacapuru, Ciência

“Logo, eles serão multiplicadores para os demais estudantes da escola, contribuindo no resgate da educação perdida nessa pandemia”, explana Galileu.

 

Galileu revelou que encontrou o laboratório da escola fechado e resolveu iniciar os projetos científicos de forma voluntária, por meio do qual encontrei muitos estudantes sonhadores, porém, desmotivados justamente por acreditarem que nunca teriam a chance de produzir um projeto científico.

Compartilhe:
1 comentário
  1. Christiane Diz

    Como eu quis um professor assim na minha época!!! Parabéns mestre 🎉

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.