Ufam inaugura o primeiro edifício solar e sete estações solarimétricas

Compartilhe:

Na próxima segunda-feira, 25 de outubro, às 10h, a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) inaugura o primeiro Edifício Solar no campus sede da Ufam.

A solenidade acontece no CCA, localizado no setor sul, e também marca as inaugurações de sete estações solarimétricas, localizadas em Manaus, Benjamin Constant, Coari, Humaitá, Itacoatiara, São Gabriel da Cachoeira e Parintins; do Centro de Mídia e tradução simultânea do CCA e as instalações-estruturas e equipamentos- da Unidade de Pesquisa em Energia, Clima e Desenvolvimento Sustentável (Upec).

A obra e os equipamentos dotarão a Ufam de uma complexa estrutura de pesquisa na área de energia, clima e ambiente, incluindo o monitoramento diário de dezenas de variáveis meteorológicas, dentre as quais os gases de efeito estufa, especialmente aqueles de maior impacto no aquecimento global, como o Dióxido de Carbono (CO2), Metano (CH4), Óxido Nitroso (N2O), Clorofluorcarboneto (CFC), dentre outros.

De acordo com o diretor do CCA, professor Eron Bezerra, a Ufam vai inaugurar o prédio do setor sul, localizado no campus sede, mas tem mais cinco edifícios solares em Benjamin Constant, Coari, Humaitá, Itacoatiara e Parintins, em fase de implantação.

“Nós vamos produzir, nos seis edifícios, mais de um milhão e trezentos mil quilowatts-hora (kWh) por ano, isso equivale a uma economia de aproximadamente R $1 milhão de reais. A meta é, em cinco anos, a Ufam produzir por meio de energia solar toda a energia convencional consumida atualmente”, explicou.

Sobre as sete estações solarimétricas, o professor explicou que elas são responsáveis por mensurar parâmetros solares, como radiação solar global, e estão localizadas em Manaus, Itacoatiara, Benjamin Constant, Parintins, Coari, Humaitá e São Gabriel da Cachoeira.

“As estações já estão instaladas e o objetivo é mensurar, em campo, qual o potencial dos 62 municípios do Amazonas em produção de energia fotovoltaica (energia solar).

As informações colhidas servirão para montar um Mapa Solarimétrico do Amazonas e tê-lo é importante para que o produtor independente de energia possa participar dos leilões de energia que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O Mapa é uma exigência da Agência e é raro no Brasil. Oferecê-lo ao Amazonas é um trabalho estratégico e inédito que a Ufam está oferecendo para a sociedade brasileira”, enfatizou.

No que se refere ao Centro de Mídia e tradução simultânea do CCA, o diretor explicou que é a superação da barreira da língua.

“Nós vamos instalar equipamentos de tradução simultânea para ajudar a melhorar o padrão do Programa de Pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (PPGCASA) que vai dispor de mais uma ferramenta para melhorar seu ranqueamento nas avaliações nacionais. O Centro de Mídias está vinculado ao CCA, mas é disponível para a comunidade acadêmica usar, claro, respeitando os critérios e protocolos de parcerias”, disse.

Todos esses projetos estão ligados à Unidade de Pesquisa em Energia, Clima e Desenvolvimento Sustentável (Upec), grupo de pesquisa certificado junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), formado por nove pesquisadores doutores, mais de 40 bolsistas e 15 articuladores. O grupo tem como líder e vice-líder, respectivamente, os professores da Ufam, Eron Bezerra e Tereza Cristina Souza de Oliveira.

Os demais pesquisadores são: Alíria Graciela Bicalho Noronha (Nilton Lins), Durbens Martins Nascimento (NAEA/Universidade Federal do Pará), Josemar Gurgel da Costa (Ufam), Marília Gabriela Gondim Rezende (Ufam), Natacha Cintia Regina Aleixo (Ufam), Ricardo Ruther (Universidade Federal de Santa Catarina) e Rodrigo Couto Alves (Ufam).

São parceiras da Upec, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA), e a Universidade Nilton Lins. Na Ufam estão envolvidos: Centro de Ciências do Ambiente (CCA), Faculdade de Ciências Agrárias (FCA), Instituto de Ciências Exatas (ICE), Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) e Instituto de Saúde e Biotecnologia (ISB).


Fonte: Ufam

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.