Manhã Cultural da Valer terá oito escritores convidados e duas exposições

Compartilhe:

Na véspera dos 352 anos da fundação de Manaus, neste sábado (23/10), a Editora Valer encerra a série de quatro Manhãs Culturais, no Parque do Mindu, com um diálogo entre leitores, escritores e pesquisadores que têm a cidade como tema de suas obras.

O evento começa às 8h, com um café da manhã, e se encerra às 11h, e terá a mediação da coordenadora editorial da Valer, filósofa Neiza Teixeira.

Confira a lista de autores convidados e as obras s em destaque:

  1. Otoni Mesquita: La Belle Vitrine: Manaus entre dois tempos (1890-1900)
  2. Tenório Telles: Manaus – Solo Dissonante
  3. Márcio Souza: apresentação da coleção Motins Políticos, de Domingos Raiol
  4. Amilcar Aroucha Jimenes: Sobre flechas e canetas
  5. Aldísio Filgueiras: Nova subúrbios e cidade do puro nada
  6. Deusa Costa: Quando viver ameaça a ordem urbana
  7. Magela Andrade: apresentação de Cidade Mítica, obra póstuma da sua irmã Bernadete Andrade (1953-2007)
  8. Patrícia Marinho: apresentação do livro Cartões-postais do acervo de Manaos Brazil – Carte Postale, Joaquim Marinho (1943-2019)

Esses livros e mais uma centena de títulos estarão a venda no estande da Manhã Cultural pela metade dos preços anunciados no site da editora.

Foto: amazonamazonia

Exposições

Consta ainda na programação, a exposição Manaus em Miniaturas, do arquiteto e artista plástico Carlos Melo, e a mostra fotográfica Viva Manaus, com curadoria da fotógrafa e engenheira Adriana de Lima.

Na primeira, o público poderá observar dezenas de miniaturas de monumentos históricos da cidade.

“Esse evento é, sem dúvida, uma maneira de saudar a cidade que tanto amamos, após a tragédia que tivemos com as milhares de vítimas da Covid-19. Momento de comemorar e agradecer por tudo”, disse o artista.

Na segunda, estarão expostas fotografias sobre uma Manaus viva em cada clique dos fotógrafos Sérgio Corrêa da Costa, Rayci Coelho, Jorge de Borba e Lúcio Cunha.

“Estamos felizes e empolgados com essa exposição única, em comemoração ao aniversário da nossa cidade. Sabemos que a editora Valer não brinca em serviço quando o assunto é cultura e queremos contribuir nessa Manhã Cultural, que já é um sucesso e mostrar o nosso trabalho”, pontuou Adriana Lima.

A diretora de eventos da Valer, Marília Maciel, destacou a interatividade que a Manhã Cultura estimula entre leitores, escritores e os demais artistas que participam das atividades programadas para o evento.

“Vamos ter a conversa com autores, exposições, grandes lançamentos e teremos um momento para cantar parabéns para nossa cidade, com direito a um bolo em homenagem aos 352 anos da capital amazonense”, destacou Marília.

Valer

A Editora Valer é uma empresa de Manaus que atua no mercado editorial brasileiro há mais de trinta anos.

Nesse período já editou mais de 1500 títulos, a maioria com enfoque em temas amazônicos. Também resgatou títulos da literatura amazonense que havia tempo fora do mercado e somente conhecidos por pesquisadores e colecionados.

Esse é o caso de Simá: romance histórico do alto Amazonas, de Lourenço Amazonas; Poranduba amazonense – ou Kochiymauara porandub, de João Barbosa Rodrigues; e, neste ano, editou a primeira edição completa, em língua portuguesa, da Relação do famosíssimo e poderoso rio chamado Marañón, do frei Gaspar de Carvajal, com tradução e notas do historiador amazonense Auxiliomar Ugarte.

Primeiramente identificada com o público acadêmico, a Valer sempre esteve na vanguarda das agitações culturais que promovem o livro, a leitura e estimulam o surgimento de novos escritores.

Em 2008, no período de 17 a 22 de novembro promoveu, em Manaus, a histórica Feira Literária Internacional da Floresta (Flifloresta), que reuniu mais de 60 escritores brasileiros e de vários países em debates e discussões sobre a literatura e a necessidade de fortalecimento da solidariedade entre os povos e suas culturas.

Isaac Maciel, o reitor da Ufam, Sylvio Puga, e a jornalista e escritora Inácia Caldas , na segunda edição da Manhã Cultural, no Mindu. Foto: amazonamazonia. 

“Na medida do possível – e às vezes do impossível – contribuímos com o desenvolvimento cultural do Amazonas. Isso porque acreditamos na força do livro como instrumento transformador da vida das pessoas e da sociedade”, explica o editor da Valer,  jornalista Isaac Maciel.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.