Fapeam, Fiocruz e IMLD estimulam parcerias que beneficiem a Amazônia  

Compartilhe:

A diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Márcia Perales Mendes Silva, participou de reunião com a presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, e a diretora do Instituto Leônidas & Maria Deane, (ILMD/Fiocruz Amazônia), Adele Benzaken.

O encontro ocorreu nesta quinta-feira (21/10), na sede da Fiocruz Amazônia, no bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

As representantes das três instituições trataram do fortalecer de parcerias institucionais para o desenvolvimento científico e tecnológico da Amazônia, por meio da integração da pesquisa, educação e ações em saúde pública,

Também estiveram no encontro representantes de instituições de ensino e pesquisa e parlamentares. Durante a reunião, foram exibidos teasers e projetos institucionais realizados pelos laboratórios do ILMD/Fiocruz Amazônia.

Nísia Trindade agradeceu aos parceiros que tem somando esforços junto à Fiocruz Amazônia ao longo dos 27 anos de atuação da instituição.

“Participei de uma mesa de abertura sobre determinantes sociais da saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), com a Fiocruz, onde comentei que estou na região, no estado, que sofreu esse impacto dos determinantes sociais da saúde de uma maneira ainda mais aguda em tempos de pandemia, mas ao mesmo tempo, nós temos a potência das respostas institucionais, da comunidade científica e da sociedade. Isso é fundamental para esse momento”, disse.

Diante dos desafios da crise sanitária originada pelo SARS-CoV-2, a Fapeam lançou no ano passado duas chamadas para o programa PCTI-EmergeSaúde/AM, e contratou 30 projetos de pesquisa.

Também apoiou o estudo CovacManaus, que agora entra na segunda fase, o CovacManaus II.

“Conseguimos apoiar a pesquisa que é muito importante, a CovacManaus 1 e 2. Conseguimos apoiar também a rede genômica do estado do Amazonas, que é constituída por um pool de instituições. Isso são valores da ordem de quase R$ 20 milhões, recursos do estado. As ações desses pesquisadores são integradas em âmbito nacional e internacional. E eu reitero são investimentos de interesse global que a Fapeam tenta responder a isso e só pôde contribuir em função do apoio que tem dito do governo do estado”, ressaltou Márcia Perales.

Adele Benzaken explicou que a Fiocruz Amazônia tem um campo de trabalho amplo e que o encontro visa ampliar parcerias e sedimentar as relações institucionais construídas.

“É uma instituição muito bem-vinda aqui no estado. Sentimos isso através dessas parcerias e da abertura que as instituições têm em fazer esses apoios”, ponderou.

Parcerias

A Fapeam tem construído um grande esforço para intensificar a interlocução e as cooperações interinstitucionais.

Temos uma parceria com a Fiocruz de longa data, com a Ufam, a UEA, a Fundação de Medicina Tropical, a FCecon, entre vários parceiros que são imprescindíveis para a Fundação. Porque, à medida que a Fapeam tem como missão, fomentar a formação de recursos humanos altamente qualificados, também precisamos fomentar pesquisas, sejam básicas, aplicadas e tecnológicas para ajudar na produção do conhecimento e desenvolvimento do nosso estado. O centro desse processo se chama ser humano. É o retorno que ele vai ter com as pesquisas que são financiadas com recurso público

Márcia Perales, diretora-presidente da Fapeam

Durante a reunião, a vice-diretora de Ensino, Informação e Comunicação do ILMD-Fiocruz Amazônia, Rosana Parente, relembrou a sensibilização de instituições no auge da crise da pandemia da Covid-19, que prorrogaram as bolsas, inclusive a Fapeam.

“Os alunos com bolsas têm prazo limitado em conversas com a Fapeam, ela conseguiu postergar por muito mais tempo. A Fiocruz também fez a mesma ação. Tenho um pedido que a gente continue fortalecendo e que nós parceiros se somem para continuar essas ações de educação para diminuir as desigualdades sociais”, comentou.

Ao finalizar, Márcia Perales reforçou a importância das parcerias para fazer política de ciência e tecnologia no Amazonas.

“Nós temos muito orgulho em função de tudo que se fortalece no sistema de inovação, ciência, tecnologia, porque essa é uma necessidade. Nós lançamos um edital chamado Ciência na Gestão Pública para fazer uma avaliação de impacto de políticas sociais. É a primeira vez que isso foi feito, mas a Fapeam vai continuar caminhando por aí, porque a ciência e a gestão pública têm que caminhar juntas, têm que dar as respostas técnico-científicas para melhorar a qualidade de vida da população. Esse é o objetivo central”, destacou.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.