O cachorro azul

Compartilhe:

Basicamente todos os cachorros são iguais. Quatro patas, um rabo, duas orelhas, focinho gelado e um olhar doce feito mel.

Variam um pouco na cor do pelo, entre o preto, o branco e vários tons de marrom. Mas não passa disso.

Não existem cachorros vermelhos, amarelos, verdes, azuis. Essas cores lindas ficaram para os pássaros e as flores.

Essa regra, porém,  foi quebrada numa manhã abafada na poeirenta aldeia  de Palik, às margens do rio Kasid, na Índia, quando um cachorro azul dobrou a esquina da rua principal sob o sol de meio dia ,em direção ao restaurante Oasis onde o esperavam as sobras que o cozinheiro deixara para ele em uma quentinha de alumínio.

O azul escandalosamente celeste do cachorro não chamou a atenção de ninguém. Todos estavam sonolentos, indo para casa tirar uma soneca depois do almoço.

Nem o próprio cachorro, ao ver  a sua imagem refletida na água  do rio, que antes de agitar-se com as suas lambidas, revelara a imagem de um cachorro azul muito parecido com ele.

Deve ser o reflexo do céu naquelas águas, pensou encaminhando-se para a sombra de uma mangueira.

Que bonito eu seria se fosse azul… desejou antes de fechar os olhos e pegar no sono para nunca mais acordar.

Horas mais tarde uma pequena multidão observava o cachorro que parecia dormir.

– Esse povo não tem mais o que inventar. Agora pintam cachorros azuis disse uma mulher ajeitando a criança que dormia no seu ombro.

– Engraçado, ontem mesmo vi dois cachorros azuis dormindo praça, informou o dono da Barbearia ¨Os Monges¨.

Mas a curiosidade não durou muito. Logo o grupo se desfez, partindo cada um para o seu lado. Afinal, qual o problema dos cachorros mudarem de cor?

Naquele mesmo dia, a super modelo bielorussa Misha Valentine extrapolou no desfile da Blue Note, a grife de jeans mais famosa do planeta, quando caiu morta na passarela forrada de carpete índigo no desfile da XXVI Mostra Internacional da Moda Streetwear, no 34º andar do edifício Lótus, no centro de Nova Dheli.

Quando Misha cambaleou nas plataformas dos sapatos azuis caindo em seguida, o público aplaudiu calorosamente, supondo tratar-se de uma performance ensaiada para dar maior dramaticidade ao desfile.

Mesmo quando um líquido azul cerúleo escorreu da sua boca, ainda assim o público não se mexeu das cadeiras esperando o final da cena.

Minutos depois foi constatada a morte de Misha por excesso de azul no corpo.

O telefone tocou três vezes na sala do gerente regional da empresa francesa Le Ciel Blue, na remota Palik, onde eram feitos os tingimentos da coleção de  jeans  exibida no desfile.

– Sim, mas o que é que temos a ver com um cachorro azul e a morte de uma modelo em Nova  Dheli? – indagou.

– Bom, recebemos uma denúncia de que os senhores despejam a água do tingimento no rio Kasid,

O senhor Mohammed quis dar um fim na conversa. Olhou para o relógio com a intenção de dizer que tinha um compromisso exatamente àquela hora e que se comunicaria mais tarde.

Queria um tempo para confirmar a morte do cachorro  azul e o nível de poluição do rio Kassid.

Não deu tempo. O telefone escorregou da sua mão e um filete de sangue azul espalhou-se no tampo de mármore da sua mesa.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.