Guterres elogia exemplo dos indígenas e critica indústria de combustíveis fósseis

Compartilhe:

Nessa quinta-feira (11/11), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou estar “inspirado” com a mobilização da sociedade civil” e com o “dinamismo e o exemplo das comunidades indígenas”.

Ele retornou a Glasgow, na Escócia, para acompanha a reta final da Conferência da ONU sobre Mudança Climática, COP26.

Na véspera da apresentação do documento final da COP26, o chefe da ONU pediu aos governos para que demonstrem a “ambição necessária sobre mitigação, adaptação e financiamento” climáticos.

Guterres explicou que para manter o aumento da temperatura global a 1.5 °C, será necessário reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 45% até 2030. Mas o secretário-geral alerta: as Contribuições Nacionalmente Determinadas apresentadas pelos países levarão a um aumento das emissões nos próximos nove anos.

EUA & China  

Segundo ele, o mundo continua “no caminho para um aumento catastrófico da temperatura bem acima dos 2 graus”. Guterres lembra a necessidade de haver um corte rápido de emissões ainda nesta década. Ele elogiou o acordo de cooperação firmado entre Estados Unidos e China contra a mudança climática.

Mas criticou o fato de a indústria de combustíveis fósseis receber trilhões em subsídios e o carbono continuar sem um preço, “prejudicando mercados e decisões de investidores”.

Na COP26, Guterres pediu para “todos os países, cidades, empresas e instituições financeiras reduzirem radicalmente as emissões e descarbonizarem seus portfólios a partir de agora”.

Níveis de CO2 continuam em níveis recorde. Unsplash/Johannes Plenio

Fiscais do net zero  

Na avaliação do chefe da ONU, os compromissos firmados até o momento em Glasgow são “encorajadores”, mas a lacuna nas emissões continua “sendo uma enorme ameaça”.

Ele anunciou que irá estabelecer “um Grupo de Especialistas de Alto-Nível para propor padrões claros de medição e análise dos compromissos sobre net zero (zero emissões líquidas de gases)”, sendo que uma série de recomendações será apresentada no próximo ano.

Com a conferência quase chegando ao fim, a participação dos jovens continua muito ativa em Glasgow. A brasileira Marina Guião tem apenas 17 anos e está na COP26 para fazer pressão:

Vários protestos aconteceram durante a COP26, em Glasgow. Foto: oto: UN News/Conor Lennon

Papel das cidades  

“Estamos vendo muitas promessas vazias, muitos acordos sendo assinados, mas quando a gente volta para o Brasil, a gente vê destruição, incêndios, a gente vê mineradoras tomando conta das nossas florestas e dos nossos biomas. Viemos para cá para pressionar e para dizer que a juventude está atenta com o que está acontecendo e não vamos mais deixar a boiada passar.”

O penúltimo dia da COP26 foi marcado por debates sobre cidades e meio ambiente, destacando que 68% da população global estará vivendo em áreas urbanas até 2050.

Aproximadamente 1,6 bilhão de habitantes das cidades estarão expostos regularmente a temperaturas extremamente altas.

Já o aumento do nível do mar e as enchentes costeiras afetarão 800 milhões de pessoas.

Acelerar a transição para emissões líquidas zero será vital para conseguir manter o aumento da temperatura global perto da meta de 1,5 graus.

De acordo com a ONU-Habitat, as cidades consomem 78% da energia mundial e produzem 60% das emissões de gases de efeito estufa, apesar de representarem menos de 2% da superfície terrestre.


Fonte: ONU News

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.