Ex-reitor Marcus Barros recebe medalha do Mérito Ruy Araújo Aleam

Compartilhe:

Na manhã desta terça-feira (16/11), o ex-reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), professor e médico infectologista Marcus Barros, recebeu, em sessão especial híbrida, a medalha do Mérito Ruy Araújo, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM).

A honraria foi proposta pelo deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) e faz parte do reconhecimento dos relevantes serviços desenvolvidos pelo professor e médico Marcus Barros em prol do Amazonas.

O homenageado, Marcus Barros, disse receber a Medalha Ruy Araújo com alegria e emoção. “Agradeço a todos os deputados que aprovaram, por unanimidade, a iniciativa do deputado Serafim Corrêa, em me conceder tão alta honraria. A Medalha homenageia a quem se destaca pelo serviço prestado ao Amazonas nos vários segmentos. Assim, procurei contribuir nas áreas de saúde, educação e meio ambiente. Hoje, estou ciente de que valeu a pena”, disse o médico.

O professor Marcus Barros contribuiu com pesquisa na área da saúde desde a década de 1970 no Amazonas, quando desenvolveu trabalhos de grande relevância, entre eles clínica em doenças tropicais.

“Meu trabalho na área de saúde começa no interior do Estado, no Alto Solimões, e se consolida em Manaus, na Fundação de Medicina Tropical e na Universidade do Amazonas. Para compreender a origem das doenças na Amazônia, usei como ferramentas a Geografia e História, dentre outras. Os estudos empreendidos nesse campo foram parte estruturante de minha formação médica, além da clínica em doenças tropicais. A partir daí, comecei a associar, do ponto de vista ambiental, o desmatamento com o surgimento de casos de leishmaniose, de malária, das hepatites e outras doenças da nossa região, que se constituíram minha preocupação central”, explicou o homenageado.

O reitor Sylvio Puga destacou que esse é um momento de júbilo para a Ufam assistir o ex-dirigente, professor  Marcus Barros, que foi reitor de 1989 – 1993, receber mais um reconhecimento público do seu trabalho.

Esse reconhecimento é em função do seu trabalho na Ufam, como pesquisador, professor e reitor da Instituição; e também por toda uma atuação destacada na sua vida profissional como médico. Para mim, como reitor, participar da solenidade é um momento de muita alegria até porque, quando aluno, o reitor era o professor Marcus Barros. É uma emoção institucional e pessoal.

Sylvio Puga, reitor da Ufam

De acordo com o deputado estadual Serafim Corrêa (PSB), autor da propositura, Marcus Barros é o orgulho da sua geração.

“Somos da mesma idade, estudamos no mesmo grupo escolar, Barão do Rio Branco, depois ele estudou no Colégio Estadual e depois no Colégio Dom Bosco. Ele fez medicina e eu economia. Médico renomado, pesquisador laureado, professor renomado também. Chegou a ser reitor da Universidade do Amazonas. Foi diretor do INPA, diretor e presidente do Ibama. Foi secretário de governo da prefeitura de Manaus e ainda continua dando a sua colaboração e contribuição à Medicina. Ele é especialista em moléstias tropicais. Esta homenagem coroa o reconhecimento do Amazonas a um filho ilustre que nasceu lá em Eirunepé e de lá veio para Manaus e aqui estudou e aqui fez tudo de bom. Homem dedicado a servir o próximo e orgulho de todos nós”, disse o deputado.

A diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), professora Márcia Perales Mendes Silva, durante a cerimônia, falou da brilhante trajetória do professor, marcada pelos frutos que deixa por onde passa; seja como médico, pesquisador, professor universitário ou gestor público.

Professor exigente e instigante; pesquisador rigoroso e produtivo; gestor ético e comprometido. Qualidades que foram lapidadas, tenho convicção, pelo espírito que entrelaça utopia e realização, mas, sobretudo, sedimentado pela visão e pela postura irretocável de um humanista! Você é um grande humanista, que encarou “a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores. Que cresceu com os golpes duros da vida, mas também com os toques suaves da alma”, como diria Cora Coralina. Professor Marcus Barros, como amazonense, educadora, pesquisadora e gestora, hoje à frente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas e neste ato representante do governador do Amazonas Wilson Lima, digo-lhe, com grande carinho, que o nosso sentimento, como amazônidas que somos, é de imenso respeito e gratidão pelo profissional e pela pessoa visionária que você é. Somos gratos a você.

Márcia Perales, diretora-presidente da Fapeam

O diretor da Faculdade de Medicina, docente Edson Andrade, relembrou a trajetória inspiradora do professor Marcus Barros.

“Eu o tenho como referência. Foi o professor Marcus que ministrou a aula da saudade da minha turma e o vejo como uma pessoa extremamente generosa, mesmo sendo exigente. Essa é a minha percepção como aluno que teve a oportunidade de conviver com ele. Em seguida, o reencontrei como gestor do Hospital Universitário Getúlio Vargas e lá pude perceber a sua capacidade de agregar pessoas e querer construir coisas boas. Se nós juntarmos o Marcus professor, gestor e político é possível entender que os motivos dessa honraria recebida hoje são justos”, finalizou.

Biografia

Marcus Barros é médico e pesquisador do Instituto de Medicina Tropical do Amazonas, em convênio com a Universidade do Amazonas, desde 1975.

Professor Adjunto IV do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade do Amazonas, desde 1975(aposentado).

Fundador e primeiro Diretor do Hospital Universitário Getúlio Vargas – da Universidade do Amazonas – 1981/83.

Foi reitor da Universidade do Amazonas. 1989/1993.

Fundador e primeiro Gerente do Escritório Técnico Regional da Fundação Oswaldo Cruz na Amazônia, com sede em Manaus, objetivando a criação do Centro de Pesquisa Leônidas e Maria Deane. 1995/98.

Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA, nomeado pelo Decreto de 25.02.2002, publicado no DOU de 26.02.2002.

Barros foi presidente do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), de janeiro de 2003 a maio de 2007.

Foi secretário Municipal de Governo, coordenador do Convênio Funai/Saúde/Prelazia do Alto Solimões para Nação Tikuna. São Paulo de Olivença entre 975 e 1976.

Diretor Clínico do Hospital Colônia Antônio Aleixo (Hanseníase), em 1976.

Diretor Clínico do Hospital de Moléstias Tropicais, em 1977.

Fundador e Chefe do Laboratório de Leishmaniose do Instituto de Medicina Tropical de Manaus – 1978 a 1987.

Presidente da Associação de Docentes da Universidade do Amazonas – Manaus – 1984 a 1986.

Coordenador do Curso latu sensu de Residência Médica em Medicina Tropical – Instituto de Medicina Tropical do Amazonas. 1987.

Coordenador do “Projeto Leishmaniose”. (Convênio entre o Instituto de Medicina Tropical de Manaus e a Universidade de Harvard – EUA) 1987.

Pesquisador do Núcleo de Estudos em Saúde Pública – Universidade do Amazonas – Manaus – 1993.

Assessor da Superintendência da Saúde do Amazonas – Manaus-1995.

Vice-Presidente da Associação de Universidades Amazônicas – Unamaz – 1992.

Professor Visitante do Curso de Medicina Tropical y Parasitologia – Catedral Unesco – Universidade de Granada. Espanha. Desde 1995

Professor Visitante do Curso de Mestrado em Medicina Tropical da Universidade Autônoma de Barcelona. Desde 1996.

Professor Visitante do Curso de Mestrado em Medicina Tropical da Universidade de Barcelona/Hospital Clínico/Serviço do Professor Manuel Corachán. Desde 2000.

Consultoria ao Centro de Pesquisas Leônidas & Maria Deane da Fiocruz-Amazônia, no período de julho a setembro de 2001.

Secretário do Conselho de Administração do Musa (Museu da Amazônia), de 2010 a 2012.


 

Fonte: Ufam/Ascom

Texto: Irina Coelho

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.