Valer lança “Antes o mundo não existia” em manhã dedicada a autores indígenas

Compartilhe:

A Editora Valer vai lançar neste sábado(20/11), na 5ª Edição da Manhã Cultural, no Parque Municipal do Mindu (Parque Dez), uma nova edição do livro Antes do Mundo Não Existia – Mitologia dos antigos Dessana-Kehíripõrã, de Luiz Gomes Lana e Firmiano Arantes Lana (já falecido).

O evento, cujo tema é Povos da Amazônia, começa às 8h, com café da manhã, e vai até as 11h, com lançamentos de outros títulos de autores indígenas, diálogo entre autores e leitores, sessão de autógrafos, MPB, música e artesanato étnicos.

Essa é a quarta edição do livro de Firmiano Lana e Luís Lana em língua portuguesas e a primeira pela Valer, empresa amazonense que atua há trinta anos no mercado editorial brasileiro.

Há mais duas edições: uma em espanhol e outra em italiano.

Antes o Mundo Não Existia é o primeiro livro escrito por autores indígenas no Brasil.

Quando esteve em Manaus, na primeira semana de outubro, para autorizar a edição da Valer, Luís Lana disse que estava ansioso para, desta vez, ver Antes o mundo não existia circulando nas escolas indígenas de São Gabriel da Cachoeira (AM), no alto rio Negro, onde moram 23 povos indígenas.

O livro narra a criação do mundo dessana e o povoamento do rio Negro, a partir da mítica viagem da cobra-canoa desde o litoral sudeste do Brasil.

 Luís Lana: duas edições em língua estrangeira e quatro em língua portuguesa. Foto: amazonamazonia

Luís Lana revelou que convenceu Firmiano, seu pai, a se tornar seu parceiro na escrita do livro porque considera a criação do mundo do dessana muito mais bela e mais fundamentada que a versão dos hebreus, disseminada entre os índios pelos cristãos.

Ele lembra que, quando criança, ouvia na Igreja que as narrativas míticas do seu povo eram coisas do Satanás, coisas voltadas para a maldade.

Aos 19 anos, ao retornar à sua aldeia, depois de passar três anos trabalhando em seringais do território colombiano, Lana começou a receber ensinamentos cosmológicos do seu pai.

Foi nesse momento que ele tomou como meta deixar registrado em livro o legado mítico de seu povo para as futuras gerações, inclusive para os brancos, para mostrar o valor do pensamento indígena.

“E começamos a colocar na mente que devíamos [registrar nossa visão de mundo] no livro. Escrever para mostrar ao mundo, para os brancos e para os padres, que as nossas crenças não eram coisas do Satanás, eram coisas nossas e boas”, disse.

Ainda na forma de anotações em cadernos escolares, a versão do livro passou pelas mãos do escritor Márcio Souza, que tentou mediar uma publicação com editoras do sudeste, porém, sem sucesso, porque a editora contatada queria enxugar o texto, para que se tornasse comercial.

Os escritos dos Lana se tornaram livro em 1980, por intermédio da antropóloga Berta Ribeiro, com uma edição de cinco mil exemplares. Berta fez sua dissertação de mestreado sobre o mito da criação do mundo segundo os Dessana.

Luís Lana afirma que está satisfeito com a circulação do livro no Brasil e em outros países, mas assegura que ficará ainda mais satisfeito quando vê-lo nas mãos dos dessanas e dos seus parentes de São Gabriel da Cachoeira

Livros com desconto de 50% no expositor da Manhã Cultural do Mindu. Foto: amazonamazonia

Programação

Os escritores Jaime Diakara (Gaapi), Yatanajé Cardoso (Canumã), Elias Yaguakág (Maraguápéyára) e Robeilton Gomes (Nem vadios e nem vassalos – Uma Análise da Lei de Liberdade dos Índios de 1755) também estão na programação de lançamento e sessão de autógrafos.

Luís Lana, por motivos pessoais, não pode estar em Manaus nesta data.

Ao menos mais 100 títulos da editora estarão expostos para venda no evento, com preços 50% de desconto em relação aos vendidos em seu site.

Quem comprar qualquer livro, a partir de R$30,00 ganha uma pulseira, no ato da compra, para se deliciar com o café da manhã do Divino.

A Valer tem em seu portfólio mais 1500 obras, parte delas com foco nas questões amazônicas.

A exposição de artes plásticas contará com a participação dos seguintes artistas: Francisco Maricaua, Alcilene Maricaua e Toniel Mura.

Contará, ainda, com uma mostra de artesanatos produzidos por Ana Mura e Franciellem Maricaua. O Grupo Kokama fará uma apresentação especial. A música ambiente ficará por conta da cantora France Martins.

Para Marília Maciel, diretora de eventos da Valer, aproximar esses artistas do público, cada vez mais se torna essencial para a sociedade, já que a cultura indígena, muitas vezes, acaba sendo deixada de lado.

“Queremos apresentar nossos autores indígenas e agregar ao evento os artistas visuais e artesãos que fazem parte dos povos originários. Isso é fundamental no desenvolvimento social e cultural das pessoas, é resistência nesse período em que vivemos”, disse.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.