Reitor da Ufam abre o I Simpósio de Comunicação, Cultura e Amazônia

Compartilhe:

Na noite dessa segunda-feira (22/11), ocorreu a cerimônia de abertura do I Simpósio de Comunicação, Cultura e Amazônia com tema “Comunicação e Transversalidade na Pesquisa e Inovação na Amazônia”, na Faculdade Boas Novas (FBN).

O Simpósio ocorre entre os dias 22 e 26 de novembro, de forma híbrida, nos campi da Universidade Federal do Amazonas, em Manaus, e no Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia da Ufam, em Parintins, e também na FBN.

A programação completa pode ser acessada AQUI. 

O evento, realizado pelo Grupo Trokano da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal do Amazonas (Fic/Ufam), em parceria com ICSEZ e FBN, faz parte da programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT -2021) e conta com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

O objetivo é popularizar o conhecimento científico produzido a partir da interlocução do campo da Comunicação com as demais áreas da Ciência na busca de soluções sustentáveis para a região e para o entendimento de seus povos.

Participaram da mesa de abertura o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, a diretora da FBN, professora Maria José Costa Lima, o diretor da FIC/Ufam e coordenador geral do Simpósio, professor Allan Soljenítsin Barreto Rodrigues, o coordenador acadêmico do Icsez/Ufam, professor Carlos Barros Monteiro.

Abertura

De acordo com o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, a Ufam preza por trabalhos em parceria.

“Este momento é para reafirmarmos nossa parceria com a FBN e a nossa vontade de fazer avançar nossas instituições. O nosso objetivo, enquanto educadores e professores, é trabalhar para que em qualquer área do conhecimento nós possamos avançar e formar os melhores profissionais. Trabalhamos juntos para que a Educação Superior avance no estado do Amazonas”, enfatizou.

A diretora da FBN, professora Maria José Costa Lima, falou da relevância do Simpósio e da Educação a partir da perspectiva transformadora.

“Estarmos aqui com referências na Pesquisa, Ensino e Extensão no estado do Amazonas é resultado de um trabalho transformador. Quero enfatizar a alegria e a honra em receber o I Simpósio de Comunicação, Cultura e Amazônia na nossa casa. É um privilégio para os nossos acadêmicos participar de um evento dessa magnitude”, destacou.

O diretor da FIC/Ufam e coordenador geral do Simpósio, professor Allan Soljenítsin Barreto Rodrigues, destacou a parceria entre as instituições.

O evento já é um sucesso. Tivemos mais de 200 inscritos, serão apresentados 56 artigos, oferecidas 11 oficinas, há ainda exposição fotográfica em Parintins e os números em si já apontam para um evento bem-sucedido. Essa é uma oportunidade para que os estudantes, profissionais e pesquisadores tenham contato, divulguem e troquem o que está sendo produzido na nossa região na área da Comunicação e cultura na Amazônia.

A partir desse evento, nós vamos publicar um ebook com os melhores trabalhos apresentados em cada Grupo de Trabalho e a ideia é realmente fomentar a produção e a publicação de pesquisas. Gostaria de agradecer à Faculdade Boas Novas por nos receber, o apoio da Ufam, do ICSEZ e todos os parceiros que fizeram parte da construção desse evento

Allan Rodrigues, diretor da FIC/Ufam

O coordenador acadêmico do Icsez/Ufam, professor Carlos Barros Monteiro, representando a direção do ICSEZ na solenidade, explicou como a Ufam tem feito a diferença social em Parintins.

“É muito significativo contribuirmos também com ‘I Simpósio de Comunicação, Cultura e Amazônia’. Nossa comunidade acadêmica é formada por aproximadamente 1500 alunos, 87 professores, e em torno de 50 servidores, que fazem a diferença no interior do Amazonas. Recebemos, em 2019, o Intercom região Norte, um dos principais congressos da área de Comunicação e participamos de atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão na região”, lembrou.

Conferência 

A conferência de abertura foi feita pela professora Maria Ataíde Malcher, ligada a Universidade Federal do Pará, tratando do tema “Pesquisa em Comunicação e Cultura na Amazônia”. A docente fez uma retrospectiva da construção e estruturação das pesquisas da área da Comunicação no Norte do país.

Esse é um momento muito importante para todo o trabalho de pesquisa feito aqui na região Norte. Eu gostaria que vocês pensassem o que significa ser um estudante na Amazônia? O que significa viver em Manaus e não nos grandes centros do Sul e Sudeste? Por que todo mundo fala da Amazônia sem conhecer a Amazônia?

E nós que estamos aqui não conseguimos falar da Amazônia com a propriedade que deveríamos. Temos que começar a nos perguntar e vocês, os jovens, precisam começar a pensar nessas questões. Já fizemos muito, mas tem muita coisa para fazer ainda. Para mim, é um momento de muita celebração o Grupo de pesquisa Trokano comemorar 10 anos. Isso é quase um feito, um marco, considerando que não estamos nos grandes centros”

Maria Ataíde Malcher, professora da UFPA.

A professora destacou ainda as assimetrias regionais que envolvem a produção do conhecimento e a necessidade de fortalecimento de todos os lugares de produção científica.

“Escolher fazer um mestrado ou doutorado não é apenas para quem decide ingressar na carreira acadêmica. Essa escolha tem a ver com formação continuada, que é algo que está sendo cobrado para todos vocês que irão ingressar no mercado. Hoje, o sistema de pós-graduação que era restrito se ampliou. Temos mestrados e doutorados que são acadêmicos, mas também há os profissionais. Isso significa que quem deseja fazer pesquisa aplicada também tem espaço na academia”,, finalizou.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.