Bienal de Luanda começa no sábado com ações por futuro de paz na África

Compartilhe:

A capital angolana acolhe a partir deste sábado a Bienal de Luanda – Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz.

O evento conta com chefes de Estado, integrantes de governos, representantes de organizações internacionais, diplomatas e personalidades.  A Bienal realça o patrimônio cultural de Angola e da África.

Plataforma

A reunião debate diversidade cultural, moda, cinema e turismo e faz parte da programação a ser divulgada através da plataforma digital Bienal TV em português, inglês e francês.

O músico brasileiro Yamandu Costa, que estará no evento, gravou um vídeo sobre o papel dos artistas na cultura da paz e na ligação do continente africano e suas diásporas.

“A arte de uma maneira geral é um momento de elevação da compreensão humana. Então, porque não ser um instrumento de trazer paz, e trazer comunhão às pessoas. As artes sempre tiveram essa força de juntar nações e de fazer com que o entendimento seja possível. Eu considero a África como uma possibilidade de um futuro melhor para a humanidade.”

Impacto

As sessões da Bienal de Luanda serão presenciais e virtuais, refletindo iniciativas de impacto para a paz e o desenvolvimento sustentável na África. A organização inclui o Governo de Angola, a União Africana e a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco.

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, ressalta a cultura de paz num espaço de reflexão sobre o futuro promovendo a riqueza cultural dos países africanos e resiliência.

Um dos fóruns temáticos celebra o Ano 2021 da União Africana sob o tema Artes, cultura e patrimônio: Alavancas para a construção da África que queremos.

Participantes da Bienal de Luanda de 2019, no primeiro dia do evento. Foto: Unesco Angola

A Constituição da Unesco promove o conceito de “Cultura de Paz” desde o Congresso Internacional sobre Paz nas Mentes dos Homens, realizado em Yamoussoukro, Cote d’Ivoire ou Costa do Marfim, há 32 anos.

Cultura de paz

A Unesco junta este apelo à criação de uma estrutura regional sustentável como dita o “Plano de ação para uma cultura de paz em África” do Fórum Pan-Africano “Fontes e Recursos para uma Cultura de Paz” realizado em Luanda em 2013.

A Unesco destaca, no entanto, que embora as oportunidades de desenvolvimento sustentável na África estejam crescendo, o continente ainda enfrenta muitos desafios. Entre eles estão os riscos de instabilidade e conflito.

Para a agência das Nações Unidas, a Bienal de Luanda é uma contribuição para promover a paz e a não-violência, com base em valores africanos compartilhados.

Relembre a Bienal de Luanda de 2019


Fonte: ONU News

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.