Morre, aos 98 anos, a Acadêmica e escritora Lygia Fagundes Telles

Compartilhe:

A Acadêmica e escritora Lygia Fagundes Telles morreu de causas naturais na manhã do dia 3 de abril, aos 98 anos, em São Paulo. O velório está sendo realizado na  Academia Paulista. Seu corpo será cremado no cemitério da Vila Alpina.

A ABL fará uma Sessão da Saudade na próxima quinta-feira, dia 7 de abril, no Salão Nobre, em homenagem à autora. Lygia foi uma das maiores representantes da literatura brasileira. Era a quarta ocupante da Cadeira nº 16 da Academia Brasileira de Letras, tendo sido eleita em outubro de 1985, na sucessão de Pedro Calmon.

Lygia Fagundes Telles recebeu vários prêmios ao longo da carreira, tais como o Camões (2005), Jabuti (1966, 1974 e 2001 e o Guimarães Rosa (1972).

Possui obras traduzidas para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, polonês, sueco, tcheco, português de Portugal. Contribuiu para diversas áreas da cultura, com adaptações para o cinema, teatro e TV.

Escreveu, por exemplo, Ciranda de pedra, obra publicada em 1954. O livro foi adaptado para televisão em 1986, pela TV Globo, em formato de novela escrita por Janete Clair, com a colaboração de Dias Gomes. Foi também uma das autoras do manifesto dos intelectuais contra a censura.

É considerada uma das grandes referências no pós-modernismo, tendo escrito obras que abordam temas diversos, como a morte, o amor, o medo e a loucura, além da fantasia. Seu primeiro livro de contos, “Porões e sobrados”, foi publicado em 1938.

A Acadêmica

Lygia Fagundes Telles nasceu em São Paulo no dia 19 de abril de 1923.  Foi casada com o crítico de cinema, professor e ensaísta Paulo Emílio Salles.

Considerada por acadêmicos, críticos e leitores uma das mais importantes e notáveis escritoras brasileiras do século XX e da história da literatura brasileira. Graduada em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e, em 1939, cursou o pré-jurídico e a Escola Superior de Educação Física na mesma universidade.

Além de advogada, romancista e contista, tem grande representação no pós-modernismo.

Alguns de seus livros mais importantes são Antes do Baile Verde (1970), cujo conto que dá título ao livro recebeu o Primeiro Prêmio no Concurso Internacional de Escritoras, na França. “As Meninas” (1973), romance que recebeu os Prêmios Jabuti, Coelho Neto, da Academia Brasileira de Letras, e Ficção da Associação Paulista de Críticos de Arte. A Disciplina do Amor (1980) recebeu o Prêmio Jabuti e o Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte.

O romance As Horas Nuas (1989) recebeu o Prêmio Pedro Nava de Melhor Livro do Ano. A consagração definitiva veio com o Prêmio Camões, distinção maior em língua portuguesa pelo conjunto de obra, em 2005.

Foi procuradora do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, cargo que exerceu até a aposentadoria, e presidente da Cinemateca Brasileira, fundada por Paulo Emílio Sales Gomes. Além da Academia Brasileira de Letras, foi membro da Academia Paulista de Letras.

Participou de feiras de livros e congressos realizados não só no Brasil, mas também em Portugal, Espanha, Itália, México, Estados Unidos, França, Alemanha, República Tcheca, Canadá e Suécia, países nos quais foram publicados seus contos e romances.


Fonte: ABL

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.