Amazonenses apresentam obra-prima de Pergolesi dedicada à Semana Santa

Compartilhe:

O Casarão de Idéias recebe, na Semana Santa, nos dias 13 e 15 de abril, o concerto especial e temático O Stabat Mater, do compositor italiano Giovanni Pergolesi.

A obra escrita em 1736 é uma das cantatas mais célebres da história da música mundial e foi composta a partir de um poema homônimo do século XIII, que relata o momento da morte de Cristo sob a perspectiva de Maria.

A releitura foi criada a partir da ideia do mezzosopranista e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) Sérgio Anders. Também fazem parte da montagem a soprano amazonense Dhijana Nobre e o maestro Átila de Paula, que ainda toca o cravo, instrumento típico do período barroco.

“O resultado é uma música profundamente emotiva, cativante e de características atemporais. Stabat Mater é um trabalho tão singular e precioso que todos os outros compositores que escreveram ou copiaram, citam Pergolesi de alguma forma”, ressalta Átila de Paula.

O concerto terá duas apresentações durante a Semana Santa, dias 13 e 15, a partir da 20h.

Serão disponibilizados apenas 40 lugares para cada noite. O grupo conta ainda com a participação de diversos músicos convidados e promete um espetáculo de audição rara na cidade. Os ingressos estão à venda na plataforma Sympla, a preços acessíveis.

Obra

Considerado o trabalho mais famoso do compositor, o Stabat Mater de Pergolesi tem um lugar de destaque entre as obras clássicas mais célebres do ocidente.

Composta em 1736, a música obteve sucesso imediato, com mestres ao nível de Bach e Paisiello tendo copiado ou parafraseado trechos.

O texto é extraído de um poema do século XIII que retrata a dor de Maria ao ver Jesus na cruz, e o resultado é uma música de qualidades transcendentais, profundamente emotiva e encantadora.

Autor

Giovanni Battista Draghi, o Pergolesi, nasceu em 1710 em Jesi, na Itália, e teve grande renome  após a estréia de sua opera La Serva Padrona.

Nascido com necessidades especiais e de constituição muito frágil, morreu cedo aos 26 anos, em

1736, mesmo ano em que finalizou sua última e mais célebre composição, o Stabat Mater.

Artistas

Dhijana Nobre

A soprano amazonense que também é fonoaudióloga, preparadora vocal e regente, mantém intensa atividade como solista do Teatro Amazonas desde 2009 acumulando diversos títulos em seu repertório. Alguns deles são: Lucia di Lammermoor (Donizetti), a Iara na estreia mundial da ópera Onheama de João Guilherme Ripper, Suzanna (Mozart), Dircè na opera Medéè de Cherubini, Rosalba em Florencia del Amazonas de Daniel Catán, Amina em La Sonnambula (Bellini), além de outros.

Como concertista, já apresentou diversas obras, dentre elas: Bachianas Brasileiras n. 5 (Villa-Lobos), Nona Sinfonia e Missa Solemnis (Beethoven), Messias (Handel), Le Roi David (Honegger), Stabat Mater (Pergolesi) e Natividade (Ripper), dentre outras.

Dhijana Nobre também desenvolve trabalho como cantora gospel e crossover e já foi a Donna na montagem amazonense de 2019 de Mamma Mia, que recebeu o título de Mamma Mia Baré (Daniel Lobo) e participou do concerto Playbill, também em 2019, como Christine Daaé (Webber), Elza (Frozen- Walt Disney Pictures) e Elphaba (Whicked- Broadway), além de várias montagens de espetáculos de natais na cidade.

A soprano compõe o acervo de solistas da Escena Digital da OLA – Ópera LatinoAmérica.

Sérgio Anders

O mezzosopranista Sérgio Anders é membro honorífico da Sociedade Estadunidense de Músicos Pi Kappa Lambda National Music Honor Society. Bacharel em Canto (UFMG, 2000), Licenciado em Música (UFMG, 2003), Especialista em Canção Brasileira (UEMG, 2003) e em Música Antiga (Jacobs School of Music – Indiana University, 2013), Anders é Mestre em Performance Musical pela University of North Dakota (EUA, 2010) e Doutor em Música pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, 2018).

Dos prêmios recebidos, Anders acumula o lugar de semifinalista no The American Prize 2010, na categoria Art Song (Men), o UND Graduate School 2012 Creative Exhibition Award e mais três premiações da Jacobs School of Music: Anthony and Olimpia Barbera Music Scholarship Fund, Willi Apel Early Music Scholarship e o Artistic Excellence Award.

O cantor teve seu debut em ópera como Cherubino em Le Nozze di Figaro de Mozart, mas já interpretou La Musica e Pastore II em L’Orfeo de Monteverdi, Ahmal em Ahmal and the Night Visitors de Menotti, Gherardino em Gianni Schicchi de Puccini, Nerone em L’incoronazione di Poppea de Monteverdi, dentre outras, participando também no papel de Corifeo na estreia mundial da ópera Fedra e Hipólito, do americano Christopher Park, no Grande Teatro do Palácio das Artes.

No gênero oratório, Sérgio Anders emprestou sua voz como contralto solista na performance de grandes obras, tais como o Magnificat, a Missa Luterana, a Missa em Si Menor, e a Cantata 161 de Bach, o O Messias, Nisi Dominus, e Dixit Dominus de Handel, Requiem de Mozart e de Maurice Duruflé, o Stabat Mater de Pergolesi, dentre muitas. Junto ao Musica Figurata, um grupo especializado na performance de música antiga, sob direção do renomado cravista Robson Bessa, Anders fez incontáveis concertos em várias cidades brasileiras e em Assunción, Paraguay.

Atualmente é Professor Adjunto da Faculdade de Artes FAARTES da Universidade Federal do Amazonas UFAM.

Átila de Paula

Nascido em Manaus, estudou cravo na Escola Superior de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, classe de Marcelo Fagerlande, e foi selecionado como bolsista DAAD/CAPES para estudar com Kristian Nyquist na Hochschule für Musik Karlsruhe, Alemanha, no curso de Instrumentos de Teclado Históricos. Como diretor musical, músico solista e de câmara, já se apresentou com conjuntos como O Discurso Harmônico, Orquestra Sinfônica Brasileira, Johann Sebastian Rio, Petrobras Sinfônica, Orquestra Barroca da UNIRIO, Bratschissimo, e entre os solistas do Centre de Musique Baroque de Versailles. Realizou gravações ao lado de artistas como Katia Velletaz, Stéphanie Marie-Degand, Mira Glodeanu e o premiado violinista Linus Roth, além de ser convidado a organizar o laboratório de ópera barroca do Festival Amazonas de Ópera, onde atuou na direção musical adjunta de Acis and Galatea (Handel) e na direção artística e regência de Mater Dolorosa.

Ficha Técnica

Giovanni Battista Pergolesi (1710 – 1736)

“Stabat Mater”, P.77 cantata para vozes, cordas e contínuo

(Aprox. 40 min)

Dhijana Nobre, soprano

Sérgio Anders, mezzosopranista

Bárbara Soares, violino

Bogdan Hudzelaits, violino

Eliziel Lourenço, violoncelo

Diana Todorova, harpa

Átila de Paula, cravo e direção de orquestra

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.