Furg/Capes estudará depressão materna e violência infantil

Compartilhe:

A depressão materna e a sua relação com práticas e comportamentos violentos contra crianças são o tema do projeto da Universidade Federal de Rio Grande (FURG) que recebeu bolsas de pós-graduação e verbas para custeio pelo Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação (PDPG) – Impactos da Pandemia da Capes.

A pesquisa terá como foco crianças e famílias em situação de vulnerabilidade social durante a primeira infância.

Serão avaliados os efeitos da depressão materna sobre o desenvolvimento infantil e sua parentalidade antes, durante e após a pandemia de COVID-19 no Brasil.

A meta é analisar dados já coletados no período de 2018-2021. Para o trabalho foram entrevistadas 3.242 famílias e crianças em 30 municípios de seis estados brasileiros.

Para desenvolver a pesquisa, o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da instituição receberá 10 bolsas: quatro de mestrado, três de doutorado e o mesmo número para pós-doutorado, além de R$ 99.757,00 de verba para custeio.

Tiago Neuenfeld Munhoz, coordenador da pesquisa, explica que a proposta da Furg passará a integrar um estudo maior: a Avaliação do Impacto do Programa Criança Feliz, desenvolvido em parceria entre o Ministério da Cidadania, a Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (Sagi), e as Universidades Federais de Pelotas (UFPel), do Ceará (UFC), do Oeste do Pará (Ufopa), de Pernambuco (UFPE), da Bahia (UFBA) e de São Paulo, (Unifesp).

Ele destaca que a pesquisa da Furg irá “contribuir para o monitoramento, coleta de dados e avaliação de políticas sociais de saúde, assim como para o planejamento de políticas e programas com ênfase na saúde mental materna, nas práticas parentais positivas e na prevenção de comportamentos violentos”.

Sobre o programa

PDPG – Impactos da Pandemia é o quarto edital do Programa Estratégico Emergencial de Prevenção Combate a Surtos, Endemias, Epidemias e Pandemias, que tem a finalidade de incentivar estudos sobre a prevenção e o enfrentamento à COVID-19 e outras doenças. Estão previstos investimentos de até R$25,1 milhões.


Fonte: CCS/Capes

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.