Parintins se transforma em museu a céu aberto para visitantes do festival

Compartilhe:

A fachada do Bumbódromo de Parintins vai ganhar uma obra de arte de mais de 770 metros quadrados, com elementos da cultura e folclore amazonense. O trabalho artístico, patrocinado pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, recebe a assinatura da dupla de artistas parintinenses Curumiz, Alziney Pereira e Emerson Freitas.

Além da fachada do espaço, que tem quase 30 metros de altura, uma galeria de arte a céu aberto, de mais de 2 mil metros quadrados, já começa a colorir os muros da ilha Tupinambarana.

O festival de folclórico de Parintins, protagonizado pelos bois bumbás Garantido, vai ser realizado no último final de semana de junho.

Marco cultural

Os personagens centrais do grafite dos Curumiz e dos artistas Teo Onda e André Hulk são os bumbás Caprichoso e Garantido, mas a obra de arte também conta com elementos da natureza amazônica.

Intitulada Vitória da Cultura Popular, os artistas contam com uma grande estrutura para executar a maior obra da carreira. São 138 litros de tinta líquida e em spray, 12 rolos e pincéis e andaimes que ajudam a colorir de vermelho e azul o Bumbódromo.

Para a dupla de artistas, o Festival é a manifestação cultural mais importante do Norte e participar do projeto é um marco na carreira dos profissionais.

“Um orgulho cultural inexplicável. Orgulhosos de manifestar através da nossa arte essa festa, que não é só festa, mas também é saudade, é amor, é bater no peito e mostrar ao mundo o quanto somos ricos culturalmente. É algo que não conseguimos explicar. É orgulho de ser parintinense, de ser do Amazonas”, comenta, emocionado, o Curumiz Alziney.

Galeria a céu aberto

Mais de 2 mil metros de muros estão sendo coloridos por nove artistas de Parintins, para o projeto da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa batizado como “Parintins – Galeria Cidade Aberta”.

Conforme o curador Diego Omar, a ação visa abranger artistas visuais que não estão na cadeia produtiva dos bois.

“Os murais abordam a temática indígena, a cultura cabocla, as cosmologias amazônicas, as festas e tradições parintinenses, os bumbás, o papel das mulheres e o mundo do trabalho na cidade”, resume o curador.

São nove muros públicos e particulares que incluem, por exemplo, o Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro, Planeta Boi e o estádio Tupy Cantanhede. Os artistas Andrew Viana, Dermison Salgado, Dennis, Evanil Maciel, Levi Gama, Jarbas Lobão, Josinaldo Mattos, Miguel Carneiro e Pito Silva assinam as obras de intervenção cultural.

Filhos da terra 

De acordo com o secretário da pasta, Marcos Apolo Muniz, ao todo, as duas intervenções artísticas contam com 90 profissionais do município e tem previsão de entrega para o dia 18 de junho.

“O governador Wilson Lima determinou que todos os profissionais envolvidos no Festival sejam filhos de Parintins e, nós, da Secretaria de Cultura, temos o orgulho de dar oportunidade aos talentosos artistas e trabalhadores da ilha dos bumbás, com trabalhos notáveis e criativos que elevam a qualidade da arte amazonense”, afirma o secretário.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.