Deprecated: A função Advanced_Ads_Plugin::user_cap está obsoleta desde a versão 1.47.0! Em vez disso, use \AdvancedAds\Utilities\WordPress::user_cap(). in /var/www/html/amazonamazonia.com.br/web/wp-includes/functions.php on line 5381

Investimento de estimulo à pesquisa para mulheres soma R$ 21 milhões

Compartilhe:

No Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência, neste domingo (11/02), a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) já contabiliza R$ 21.056.242,25 em investimento para estimular a pesquisa científica entre mulheres.

Ao todo são 32 projetos de pesquisas, desenvolvidos na capital e em mais 39 municípios amazonenses.

O segmento feminino é o que tem menor presença na área de pesquisa.

Assim, os projetos contribuem para uma participação plena e igualitária, reduzindo as desigualdades de gênero na ciência.

A média global de pesquisadoras no mundo é de 33,3%, segundo a Unesco.

A agência também aponta que há um desempenho aproximado de meninos e meninas em ciências e matemática, mas ainda há estereótipos de gênero, fazendo com que muitas meninas sejam desencorajadas a seguir carreira nas áreas de pesquisa.

No estado, a Fapeam é a instituição responsável pelo financiamento e disponibilização de editais de incentivo aos pesquisadores. Especificamente para as mulheres, a Fundação tem editais exclusivos, como o programa Kunhã-CT&I.

A doutora em Biotecnologia, Ayrles Mendonça, conseguiu financiamento para uma pesquisa por meio do programa.

O estudo é voltado para o impacto da exposição fetal ao SARS-COV-2 no estado de neurodesenvolvimento infantil.

Durante o período pré-natal, a exposição a agentes infecciosos ou tóxicos é prejudicial ao desenvolvimento embrionário, implicando em perturbações do ambiente intrauterino e no potencial dano ao cérebro.

Com um laboratório próprio para a pesquisa, ela destaca a importância de fomentar mais projetos de pesquisadoras no mercado e defende os editais exclusivos.

“Uma vez que você tem um edital voltado para as pesquisadoras, isso acaba minimizando o problema que a gente tem, que é um problema histórico, onde os homens ocupam cargos de maior comando em relação aos projetos de pesquisa, e as mulheres não. Ter editais voltados ao público feminino é essencial para que a gente tenha, de fato, uma busca por uma equidade”, disse a professora e pesquisadora Ayrles Mendonça.

Orientanda da pesquisadora Ayrles Mendonça, a estudante de pós-graduação, Carolina Azevedo, de 27 anos, diz que a professora foi a maior incentivadora para ela seguir na área da pesquisa.

“É encorajador, porque a gente enxerga hoje uma diferença absurda entre homens e mulheres na ciência. As mulheres são pouco encorajadas, então ter sido encorajada por uma mulher fez uma total diferença na minha trajetória”, disse.

Exclusivo para elas

Lançados em 2021, o Programa Amazônidas – Meninas e Mulheres na Ciência visa estimular o aumento da representatividade feminina no cenário da CT&I local, com intuito de fomentar projetos de pesquisa, tecnologia e inovação como uma ação afirmativa que visa à ampliação da participação feminina na liderança desses projetos.

Exclusivo para o interior do estado, o Programa Fapeam para Mulheres na Ciência é voltado para apoiar a participação de mulheres coordenando propostas nas áreas de Ciências Exatas e da Terra, Engenharias e Ciências Agrárias no interior do estado do Amazonas diante do desequilíbrio de gêneros entre coordenadores de projetos de pesquisa nessas áreas.

Em 2022, a Fapeam lançou mais dois editais inéditos o Programa Mulheres das Águas/Fapeam para atender, exclusivamente, projetos de pesquisa aplicada, inovação ou de transferência tecnológica, coordenados por pesquisadoras no interior, e o Programa Kunhã- CT&I no Amazonas, que contempla propostas de todo o estado, que visa apoiar pesquisas que contribuam para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do estado.

E em 2023, quatro novos editais foram anunciados para promover uma maior participação feminina na CT&I, por meio do Programa de Empreendedorismo Feminino em CT&I, Programa Mulheres + Stem, para todo o Amazonas, e o Programa de Desenvolvimento e de Inovação para Educação Básica (Prodeb/Inter Mulheres e Meninas na Ciência/Fapeam) e Programa de Apoio a Pesquisas Desenvolvidas por Mulheres no Setor Primário (Agromulher/Inter), ambos para o interior do Estado.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.