Navegação na tag

Crônica

Odenildo Sena e a loucura da felicidade

O ato da escrita, penso, é um ato de intimidade. Quem lê, lê entranhas, lê a vida, que, não cabendo em si, precisa extravasar-se, recriar-se, reinventar-se, no universo mágico da página em branco, onde só a arte, só a palavra pode dar conta…

Exército de reserva & heróis do centavo

Há situações do cotidiano, dadas à tamanha estranheza de seus elementos, mexem com nossa cumplicidade histórica. Atenhamo-nos à movimentação diária de milhares de trabalhadores braçais, o dito exército de reserva, em marcha desordenada…

Conversas com passarinhos

Aposto que sim. Há tempos eles já deveriam se exibir todos os dias naquele mesmo lugar. Eu é que ainda não os havia notado. Sem nos darmos conta, a vida nos impõe rigorosas rotinas diárias. Assim como se fôssemos animais domesticados para…

Discurso & fotografia

A primeira vez que me vi em um daqueles antigos laboratórios de fotografia fiquei maravilhado! Na quase escuridão do ambiente, os suaves movimentos do papel fotográfico, em contato com a solução reveladora, operavam diante dos meus olhos…

Conflito, Confronto e Ruptura

Das lembranças bem vivas na memória, guardo o dia 24 de agosto, dia em que Getúlio Vargas, bem longe da minha cidade de interior, com um tiro no peito, saía “da vida para entrar na história”. Foi o meu batismo na política. Tinha cinco anos…

A derradeira vida do padre Tiago

Desses acontecimentos que se enraízam na memória e de lá se recusam a sair. A igrejinha sempre ficava lotada nas manhãs de domingo às sete da matina. O horário era dedicado aos jovens.  Eu devia ter uns 16 para 17 anos. Minha presença era…

A reinvenção dos brinquedos

Com ar piagetiano e num dissimulado esforço para entender o que parecia se mostrar um grande desafio pedagógico, amiga minha registra queixas do mancebo de sete anos, filho único do casal. Andava meio preocupada com os investimentos que…

A gramática do Milton Hatoum

Nossos horários à noite coincidiam. Na trajetória para a sala de aula, no velho Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Amazonas, sempre nos encontrávamos no balcão da cantina, para um cafezinho. Embora pouco, o…

Amor líquido

Há cerca de seis anos, depois de breve reunião com o meu sócio de escritório, resolvi almoçar em um restaurante sofisticado, no bairro Vieiralves. Sentei-me à mesa e de repente entra no local uma linda mulher, deixando os clientes e…